Alguns animais têm muito medo de barulhos (fogos, trovão) e já publiquei aqui um texto sobre este problema (para saber mais, clique aqui).

Mas, e quando o cachorro tem medo de outras situações como passear na rua ou andar de carro, por exemplo?

Como fazer?

O cão pode expressar o medo de diferentes maneiras: tentativas de fuga, sinais corporais e faciais, respostas fisiológicas como aumento das frequências cardíaca e respiratória, tremores musculares, urinar, defecar e esvaziar o saco anal (eles liberam uma secreção fétida oriunda da glândula ao lado do ânus). Alguns animais podem até “virar estátua – congelar” de tanto medo.

Sempre procuramos entender o motivo, a origem do medo. Mas quase nunca descobrimos…

Sabemos que os filhotes precisam ser socializados e expostos a diferentes estímulos (barulhos, pessoas, animais) nas primeiras semanas de vida (3 semanas até os 4 meses, aproximadamente) para não demonstrarem medos exagerados mais tarde.

A restrição aos passeios, (antes de completar o esquema de vacinação aproximadamente aos 4 meses – saiba mais, clicando aqui), atrapalha bastante a socialização.  Por este motivo eu recomendo que os filhotes  recebam muitas visitas, de cães saudáveis, homens, mulheres, crianças e outros animais, e se possível até passearem na rua, mas sem pisar no chão (leve-o no colo, carrinho etc.).

Os animais que experimentaram alguma situação desagradável também podem fazer uma associação e ficar medrosos.

Exemplo: na primeira viagem de carro o cachorro fica enjoado e associa esta sensação desagradável ao carro.

Outro exemplo: ficar sozinho em casa durante uma tempestade.

Se o seu cachorro é medroso, devemos ajudá-lo. O medo tem tratamento.

Alguns casos podem precisar de medicação, mas a grande maioria  pode ser resolvido com a dessensibilização.

A dessensibilização é a técnica de expor o animal aquilo que ele tem medo, de maneira gradual.

Se o animal tem medo de andar de carro, devemos acostumá-lo a entrar no carro parado e brincar e/ou alimentá-lo lá dentro. Enquanto ele estiver relaxado, elogie bastante.

Se ele tensionar, ignore-o. Aumente o desafio aos poucos. Se ele estiver bem dentro do carro parado, ligue o motor. Em seguida ande pequenos trechos.

Se o cachorro só anda de carro para ir a programas que ele não gosta, como ir ao veterinário tomar vacinas, por exemplo, experimente levá-lo para um parque!

O maior agravante do medo dos cães é a maneira que nós humanos lidamos com esta situação.

Para nós, é importante confortar e acalmar uma pessoa com medo.

Mas os cães entendem esta nossa reação como um reforço, é como se estivéssemos dizendo: Muito bem! Assim que eu gosto! Sinta bastante medo!

Pode parecer cruel, mas devemos ignorá-los quando sentem medo.

Também é importante demonstrar segurança. Comporte-se de maneira confiante: o dono com medo leva o animal a sentir medo também!

Se o seu cão tem medo de passear na rua, ofereça alguma sensação prazerosa (os petiscos costumam funcionar bem) ao colocar a coleira e continue oferecendo a cada “2 passos” do seu cão em direção à rua.

Elogie-o bastante e ignore os sinais de medo. Se ele recuar, volte um pouco e comece novamente.

Se depois de tentar estas técnicas, o seu cão ainda sentir muito medo, procure ajuda veterinária.

 


Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato