gato e cachorro

A dor é uma sensação desagradável que sentimos quando ocorre uma estimulação em terminações nervosas específicas, os receptores da dor.

Em geral, ela é causada por uma irritação, inflamação ou dano em alguma estrutura do corpo.

A dor é um mecanismo de proteção para o animal tentar se proteger e evitar o dano.

O limiar de dor e sua percepção são muito variáveis entre os indivíduos. Sabemos que existem pessoas que suportam muita mais a dor do que outras.

Com os animais também funciona assim.

Na maioria das vezes os gatos parecem ser mais resistentes à dor do que os cães.

É praticamente impossível mensurar a dor que os animais sentem, os testes realizados com seres humanos dependem do depoimento de cada um e como sabemos, os cães e gatos não falam.

A dor pode ter causas muito diferentes como: traumas, queimaduras, inflamações, estiramentos musculares etc.

Todas as regiões do corpo podem ser afetadas como: articulações, ossos, músculos, pele, olhos, ouvidos, tórax, abdome etc.

Os animais podem manifestar sintomas de dor de diferentes formas e precisamos ficar muito atentos!

Na natureza, os animais não costumam demonstrar sinais claros de dor para evitar que sejam presas fáceis.

A tolerância individual e a personalidade de cada animal vai determinar como ele vai se expressar.

Raramente um cão ou gato grita, chora ou reclama de dor.

Isto ocorre com frequência quando a dor é aguda, como num pisão de cauda acidental, por exemplo.

Na maioria das vezes os animais ficam quietos, se mexem pouco e evitam ser manipulados. Eles podem evitar contato e até demonstrar agressividade.

Preste atenção se ocorrer uma diminuição do apetite, mudança nos padrões respiratório e cardíaco (muito rápido, em geral).

Se a dor for numa extremidade (numa das patas, por exemplo) o animal pode lamber, morder, mancar e ficar mexendo insistentemente no local.

Para identificar a dor e diagnosticar sua causa, é fundamental levar seu animal para atendimento veterinário.

Se não houver um motivo evidente, como um trauma, uma pata quebrada, por exemplo, o seu animal deve ser examinado detalhadamente.

O(a) veterinário(a) vai precisar saber o que aconteceu (histórico), fazer um exame físico e em muitos casos, pode ser necessário realizar exames complementares (radiografia, ultrassonografia, exames de sangue).

Durante a consulta veterinária, examinamos o animal atentos a alguns sinais, como uma virada rápida de cabeça, um olhar diferente, um “puxão” na região dolorida etc.

Se o animal estiver sentindo muita dor, é fundamental que a manipulação e transporte sejam feitos com muito cuidado e segurança.

O tratamento da dor, depende muito da sua causa.

O uso de analgésicos é indicado, mas muitas medicações humanas são tóxicas e contra-indicadas para o uso em cães e gatos.

As doses podem variar muito entre as espécies.

NUNCA MEDIQUE SEU ANIMAL SEM ORIENTAÇÃO VETERINÁRIA!

Após o atendimento veterinário, siga as recomendações e evite agitar muito seu animal.

Se ele estiver muito quieto, pode ser que ainda esteja sentindo dor, entre em contato com o(a) veterinário(a) que está tratando dele.

Facilite o acesso ao alimento, água e “banheiro”, mas cuidado para não deixar tudo muito perto, os animais não costumam gostar de dormir e comer perto de fezes e urina.

Não use fórmulas caseiras e “milagrosas” que prometem salvar seu animal. Pode ser perigoso.

O catnip, a erva do gato, apresenta propriedades analgésicas. Ele pode ser oferecido para auxiliar o controle da dor e oferecer conforto para seu gato, mas não é uma medicação indicada para tratamento da dor. Para saber mais sobre catnip, clique aqui.

Eu sempre prefiro exagerar ao usar analgésicos do que correr o risco de deixar um animal com dor, sem que a gente perceba. Me corta o coração.

Animais mais velhos que sofrem de doença articular (artrose), tendem a sentir dor crônica, constantemente, sem reclamar (para saber mais, clique aqui).

É muito importante ficar atento e fazer tudo que estiver ao nosso alcance para oferecer alívio e conforto para nossos queridos animais.

 

 

Leia mais →
litter-box

Os gatos podem apresentar diferentes problemas urinários, como obstrução e cistite.

Um dos sintomas mais comuns é “visitar” a caixa sanitária várias vezes sem urinar nada ou quase nada.

Muitas vezes confunde-se com constipação (prisão de ventre) pois a posição para urinar e defecar é muito parecida.

Outros sintomas importantes são:

Leia mais →
emocoes

Escute aqui a minha participação no Programa Hora do Blush, com Isabella Saes no dia 10 de novembro de 2010.

Os assuntos foram  as “Emoções” dos cães e gatos.

Clique no Play de cada bloco para ouvir o programa na íntegra.

Leia mais →
artrite

Este quadro acontece frequentemente: seu cão já não brinca tanto, mas come, bebe água e reage alegremente quando te vê. Ele está envelhecendo e é normal diminuir o ritmo.

Mas pode não ser exatamente isso que está acontecendo. Ele pode estar sentindo dor. Um estudo recente demonstrou que 20% dos cães apresenta artrite.

Os cães são muito bons em esconder que estão doentes ou sentindo  dor. Ouço frequentemente dos proprietários que o animal não está reclamando ou chorando de dor. Eles raramente
demonstram. Para saber mais sobre dor, clique aqui.

Quando a dor é aguda (por exemplo, alguém pisa numa pata acidentalmente), eles avisam,  mas se a dor é crônica eles se acostumam a conviver com ela.

Só de pensar me dá arrepios.

Existem algumas medidas para amenizar este quadro crônico:

  1. Diagnóstico – consulte se veterinário
  2. Piso anti-derrapante – é muito difícil para 1 cão com artrite levantar, fazer curvas e correr sem deslizar e sobrecarregar as articulações. É fácil comprar 1 borrachão ou virar 1 carpete e forrar as áreas que o cão circula. Também existem sapatinho e produtos anti-derrapantes para aplicar nas patas
  3. Cama macia – principalmente se o animal for magro
  4. Medicação – além de analgésicos e anti-inflamatórios existem suplementos que podem ajudar – consulte seu veterinário
  5. Acupuntura – além do efeito anti-inflamatório, pode modificar o limiar da dor, melhorando muito a qualidade de vida
  6. Exercícios leves – podem ajudar, mas cuidado: depende do estado geral do animal
Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato