feliz 2020

A maioria dos cães e muitos humanos sensíveis sofrem quando escutam sons altos e fortes como o som dos fogos.

Pode ser em época de jogos de futebol, no Réveillon, nas festas juninas e até mesmo quando tem tempestade com trovões.

Um dos motivos, é o fato da audição dos cães ser mais sensível que a humana.

Eles escutam mais alto e alcançam uma frequência maior que a nossa:

Homem – 20 Hz a 20 Khz

Cão  – 40 Hz a 60 Khz

Gato – 20 Hz a 78 Hz

Isto significa que eles escutam sons inaudíveis para nós.

Para os animais, além de ser um som muito forte e alto, é uma surpresa. Eles não sabem a origem, não sabem que foi alguém que produziu aquele som, para se divertir.

Eles podem até confundir com o som de uma catástrofe natural como um terremoto, um desabamento.

Quem não se lembra dos animais fugindo da Tsunami minutos antes dela acontecer?

Muitas vezes ainda surgem luzes diferentes no céu e até cheiro de pólvora no ambiente. Este cenário é bastante assustador para a maioria dos animais.

A maioria dos animais que sentem medo de barulhos já vivenciaram uma experiência desagradável e traumática, especialmente se estavam sozinhos durante um Reveillon ou jogo de futebol.

Este é mais um motivo para evitarmos que eles se sintam sozinhos e sintam medo nestas ocasiões.

Os animais que apresentam um medo leve, costumam tremer, seguir a pessoa querida pela casa, ficam ofegantes e procuram se esconder.

Aqueles que apresentam fobia de barulhos altos,  entram realmente em pânico e podem ficar agitados, correndo de um lado para o outro, podendo até fugir de casa e se machucar.

Não esqueço de um cachorro que atendi durante um jogo do Brasil na Copa de 1998 que atravessou uma varanda de vidro e ficou bastante machucado.

Nós podemos e devemos ajudá-los.

O tratamento ideal é a dessensibilização.

Isto significa expor o animal ao som bem baixinho, gradualmente enquanto ele experimenta sensações prazerosas e se sente confortável.

Se o tratamento for bem feito, o cão pode melhorar muito e não mais apresentar os sinais de medo. Mas este tratamento precisa ser realizado com antecedência, precisa ser feito por alguns meses.

Além dos veterinários que trabalham com comportamento, muitos educadores caninos também realizam a dessensibilização, existem CDs com sons de fogos, bombas e tiros além de várias opções na internet.

Mas muitos animais também precisam da ajuda de medicações para lidar melhor com o tratamento.

Neste caso somente um(a) veterinário(a) poderá receitar o medicamento.

Mas estamos às vésperas do Reveillón… não dá para tratá-lo a tempo, mas podemos ao menos amenizar o sofrimento.

Se o seu animal apresenta sinais de pânico, procura se esconder e até mesmo “atravessar” paredes quando os fogos começam, procure seu veterinário e converse sobre a possibilidade de medicá-lo. É possível usar medicações que diminuem a ansiedade, sem “dopar” o animal.

Não medique seu animal sem orientação veterinária!

Independente do seu cão ou gato sentir pouco medo ou entrar em pânico, vale a pena protegê-lo!

Os cuidados começam durante o dia, horas antes do Reveillon.

Divirta-se bastante com seu cão, leve-o para passear ou brinque muito com seu gato, escolha os brinquedos favoritos e bem desafiadores, estimule todos os sentidos deles, enfim dê uma canseira neles!

Também não é interessante alimentá-los demais durante o dia para guardarmos apetite para a noite…

É importante que ele não fique sozinho. Se você vai sair, procure um amigo ou parente ou até mesmo contrate alguém para acompanhá-lo.

Escolha um cômodo da casa, o mais silencioso e protegido e construa um ambiente seguro, o menos estressante possível.

Ligue um som ambiente, pode ser a TV ou uma música (existem até músicas compostas especialmente para cães e gatos! Clique aqui), feche as janelas, cortinas e ligue o ar condicionado ou ventilador na modalidade mais barulhenta.

Se o seu cão ou gato gosta de uma “toca”, como uma caixa de papelão ou até mesmo a caixa de transporte (saiba mais clicando aqui), ofereça esta opção. Podemos usar uma caminha, tapete, paninho e até mesmo uma roupa nossa usada para criar este “ninho” de segurança.

Vale a pena usar os ferômonios sintéticos disponíveis nas petshops (existem opções em spray e difusores para cães e gatos) para eles sentirem uma maior sensação de segurança neste ambiente – para saber mais, clique aqui.

Leve seu animal para este ambiente o máximo de vezes possível, antes do momento dos fogos (podem ser dias ou horas antes) e ofereça sensações prazerosas para ele, como petiscos, brincadeiras, massagens escovações (com escova macia!), você pode até cantar para ele!

A ideia é este ambiente se tornar um ótimo refúgio!

Quando os fogos começarem a estourar (em alguns lugares começam hooooras antes) leve seu animal para este cômodo (se é que ele já não estará lá!) e ofereça os alimentos preferidos dele.

Gosto muito da ideia de alimentar os animais de forma ativa, desafiadora, nós podemos esconder alimentos em brinquedos recheáveis, fazer trilhas com ração e/ou petiscos, usar caixas de papelão entre outras milhões de opções.

O ideal é que seu animal já esteja habituado a esta maneira diferente de comer, assim podemos incrementar ainda mais usando os alimentos favoritos congelados, por exemplo. Vale usar caldinho, frutas, alimentos humanos, úmidos, contanto que você conheça aqueles que seu animal gosta muito e se dá bem, isto é não apresenta problemas digestivos.

Mas se ele não estiver acostumado, tudo bem. Ofereça da mesma maneira.

Deixe-o sozinho neste ambiente o mínimo possível. Se precisar sair, volte sempre para monitorá-lo.

Evite demonstrar medo e desconforto para seu animal. Nossa insegurança só traz mais ansiedade para ele. Se você também se assusta e detesta fogos, disfarce.

Alguns animais ficam completamente “dominados”, congelados pelo medo e chega a ser impossível desviar a atenção deles para outra atividade.

Neste caso, deixe o seu cão no local protegido da casa, perto de você.

Se o seu cachorro já está habituado a usar fones de ouvido (sim, eles existem) e/ou coletes para aliviar a anisedade, fique à vontade! Mas não use nenhuma novidade num momento de aflição, pode piorar o quadro de desconforto dele.

Não brigue com ele, em hipótese nenhuma!

Não faz o menor sentido dar broncas e chamá-lo de medroso ou fracote – não ajuda em nada e só deixa o animal mais aflito.

Essas medidas não vão livrá-lo do medo, mas podem ajudar bastante.

Desejo um 2020 doce, suave e muito saudável a todos!

(Mas evite soltar fogos! Os animais agradecem!)

Leia mais →
Carregando..