gato e cachorro

A dor é uma sensação desagradável que sentimos quando ocorre uma estimulação em terminações nervosas específicas, os receptores da dor.

Em geral, ela é causada por uma irritação, inflamação ou dano em alguma estrutura do corpo.

A dor é um mecanismo de proteção para o animal tentar se proteger e evitar o dano.

O limiar de dor e sua percepção são muito variáveis entre os indivíduos. Sabemos que existem pessoas que suportam muita mais a dor do que outras.

Com os animais também funciona assim.

Na maioria das vezes os gatos parecem ser mais resistentes à dor do que os cães.

É praticamente impossível mensurar a dor que os animais sentem, os testes realizados com seres humanos dependem do depoimento de cada um e como sabemos, os cães e gatos não falam.

A dor pode ter causas muito diferentes como: traumas, queimaduras, inflamações, estiramentos musculares etc.

Todas as regiões do corpo podem ser afetadas como: articulações, ossos, músculos, pele, olhos, ouvidos, tórax, abdome etc.

Os animais podem manifestar sintomas de dor de diferentes formas e precisamos ficar muito atentos!

Na natureza, os animais não costumam demonstrar sinais claros de dor para evitar que sejam presas fáceis.

A tolerância individual e a personalidade de cada animal vai determinar como ele vai se expressar.

Raramente um cão ou gato grita, chora ou reclama de dor.

Isto ocorre com frequência quando a dor é aguda, como num pisão de cauda acidental, por exemplo.

Na maioria das vezes os animais ficam quietos, se mexem pouco e evitam ser manipulados. Eles podem evitar contato e até demonstrar agressividade.

Preste atenção se ocorrer uma diminuição do apetite, mudança nos padrões respiratório e cardíaco (muito rápido, em geral).

Se a dor for numa extremidade (numa das patas, por exemplo) o animal pode lamber, morder, mancar e ficar mexendo insistentemente no local.

Para identificar a dor e diagnosticar sua causa, é fundamental levar seu animal para atendimento veterinário.

Se não houver um motivo evidente, como um trauma, uma pata quebrada, por exemplo, o seu animal deve ser examinado detalhadamente.

O(a) veterinário(a) vai precisar saber o que aconteceu (histórico), fazer um exame físico e em muitos casos, pode ser necessário realizar exames complementares (radiografia, ultrassonografia, exames de sangue).

Durante a consulta veterinária, examinamos o animal atentos a alguns sinais, como uma virada rápida de cabeça, um olhar diferente, um “puxão” na região dolorida etc.

Se o animal estiver sentindo muita dor, é fundamental que a manipulação e transporte sejam feitos com muito cuidado e segurança.

O tratamento da dor, depende muito da sua causa.

O uso de analgésicos é indicado, mas muitas medicações humanas são tóxicas e contra-indicadas para o uso em cães e gatos.

As doses podem variar muito entre as espécies.

NUNCA MEDIQUE SEU ANIMAL SEM ORIENTAÇÃO VETERINÁRIA!

Após o atendimento veterinário, siga as recomendações e evite agitar muito seu animal.

Se ele estiver muito quieto, pode ser que ainda esteja sentindo dor, entre em contato com o(a) veterinário(a) que está tratando dele.

Facilite o acesso ao alimento, água e “banheiro”, mas cuidado para não deixar tudo muito perto, os animais não costumam gostar de dormir e comer perto de fezes e urina.

Não use fórmulas caseiras e “milagrosas” que prometem salvar seu animal. Pode ser perigoso.

O catnip, a erva do gato, apresenta propriedades analgésicas. Ele pode ser oferecido para auxiliar o controle da dor e oferecer conforto para seu gato, mas não é uma medicação indicada para tratamento da dor. Para saber mais sobre catnip, clique aqui.

Eu sempre prefiro exagerar ao usar analgésicos do que correr o risco de deixar um animal com dor, sem que a gente perceba. Me corta o coração.

Animais mais velhos que sofrem de doença articular (artrose), tendem a sentir dor crônica, constantemente, sem reclamar (para saber mais, clique aqui).

É muito importante ficar atento e fazer tudo que estiver ao nosso alcance para oferecer alívio e conforto para nossos queridos animais.

 

 

Leia mais →
Guard-Dog-Benefits

Frequentemente me perguntam sobre este assunto.

Qual a melhor raça?

Como treinar um cão de guarda?

Eu não acredito que os cães de família devem ser treinados para ataque.

Existe uma diferença grande entre um cão que vigia, dá o alarme e um cão que ataca.

A maioria dos cães, independente da raça, do tamanho e do sexo exerce muito bem a função de vigia.

Basta o animal ser atento e latir! A família será alertada de algum perigo.

Se o cão for grande, certamente afastará os ladrões oportunistas, aqueles que se aproveitam de um portão baixo ou aberto.

Os cães para ataque precisam ser grandes, assustadores e ter força para deter um inimigo.

Mas se eles não forem muito bem socializados e treinados durante toda sua vida, podem se tornar uma ameaça.

Os cães da polícia, por exemplo, são criteriosamente selecionados, constantemente treinados e estão sempre acompanhados de seus treinadores profissionais.

A maioria das histórias graves, de acidentes com ataques de cães, ocorre com crianças, vizinhos e idosos.

Também devemos pensar que um ladrão que planejou o roubo, sabe que naquela casa tem um cão e provavelmente vai matá-lo ou machucá-lo.

Não podemos correr estes riscos.

Acredito que a melhor estratégia é realizar o treinamento básico com seu cão e ensiná-lo a parar de latir quando alguém da família já tiver sido avisado.

Os americanos costumam falar: “Thank You!” (obrigado), quando querem avisar ao cão que já estão sabendo que há alguém na porta de casa.

Desta maneira, resolvemos o problemas dos latidos em excesso (para saber mais clique aqui) e ensinamos nosso cão a nos avisar das possíveis ameaças.

Também acho interessante, para quem mora em casa, deixar o cão dormir dentro de casa e não no quintal.

Quando eles passam a noite no quintal, costumam latir para todos os gatos, gambás, pessoas que passam no portão, transformando a noite numa sinfonia de latidos.

Também fica mais fácil, envenenar este cachorro solto no jardim.

Se ele dormir dentro de casa, não vai latir para todos os estímulos externos, mas vai avisar se alguém quiser entrar, sem ser convidado.

Imagino que toda pessoa que gosta de cachorro se sinta mais seguro e bem acompanhado ao lado de um.

Independente de ser um chihuahua (uma ótima raça para alerta) ou um doberman.

A sensação de segurança e bem estar é complementada pela habilidade natural dos cães de dar o alerta.

Todo cachorro precisa ser socializado com crianças, visitas e funcionários.

Infelizmente, vivemos num país com regras frouxas, mas um acidente com cães é sempre responsabilidade de seus tutores.

É dever da família cuidar da saúde do cão e da segurança das pessoas que convivem com ele.

Deixar um cachorro preso durante o dia, sem contato com pessoas, para que ele fique ativo e alerta durante a noite não é recomendado para saúde dele e só aumenta as chances de acidentes.

Se você está precisando de segurança para seu patrimônio, contrate os serviços de uma boa empresa.

Mas se quiser um grande companheiro e um super alarme, desfrute da companhia de um cão!

 

ps- se você quiser um segurança para passear nas ruas perigosas, conheça esta focinheira russa que transforma seu cachorro num monstro assustador!

focinheira russamonstro focinheira russa

 

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato