gato e cachorro

A dor é uma sensação desagradável que sentimos quando ocorre uma estimulação em terminações nervosas específicas, os receptores da dor.

Em geral, ela é causada por uma irritação, inflamação ou dano em alguma estrutura do corpo.

A dor é um mecanismo de proteção para o animal tentar se proteger e evitar o dano.

O limiar de dor e sua percepção são muito variáveis entre os indivíduos. Sabemos que existem pessoas que suportam muita mais a dor do que outras.

Com os animais também funciona assim.

Na maioria das vezes os gatos parecem ser mais resistentes à dor do que os cães.

É praticamente impossível mensurar a dor que os animais sentem, os testes realizados com seres humanos dependem do depoimento de cada um e como sabemos, os cães e gatos não falam.

A dor pode ter causas muito diferentes como: traumas, queimaduras, inflamações, estiramentos musculares etc.

Todas as regiões do corpo podem ser afetadas como: articulações, ossos, músculos, pele, olhos, ouvidos, tórax, abdome etc.

Os animais podem manifestar sintomas de dor de diferentes formas e precisamos ficar muito atentos!

Na natureza, os animais não costumam demonstrar sinais claros de dor para evitar que sejam presas fáceis.

A tolerância individual e a personalidade de cada animal vai determinar como ele vai se expressar.

Raramente um cão ou gato grita, chora ou reclama de dor.

Isto ocorre com frequência quando a dor é aguda, como num pisão de cauda acidental, por exemplo.

Na maioria das vezes os animais ficam quietos, se mexem pouco e evitam ser manipulados. Eles podem evitar contato e até demonstrar agressividade.

Preste atenção se ocorrer uma diminuição do apetite, mudança nos padrões respiratório e cardíaco (muito rápido, em geral).

Se a dor for numa extremidade (numa das patas, por exemplo) o animal pode lamber, morder, mancar e ficar mexendo insistentemente no local.

Para identificar a dor e diagnosticar sua causa, é fundamental levar seu animal para atendimento veterinário.

Se não houver um motivo evidente, como um trauma, uma pata quebrada, por exemplo, o seu animal deve ser examinado detalhadamente.

O(a) veterinário(a) vai precisar saber o que aconteceu (histórico), fazer um exame físico e em muitos casos, pode ser necessário realizar exames complementares (radiografia, ultrassonografia, exames de sangue).

Durante a consulta veterinária, examinamos o animal atentos a alguns sinais, como uma virada rápida de cabeça, um olhar diferente, um “puxão” na região dolorida etc.

Se o animal estiver sentindo muita dor, é fundamental que a manipulação e transporte sejam feitos com muito cuidado e segurança.

O tratamento da dor, depende muito da sua causa.

O uso de analgésicos é indicado, mas muitas medicações humanas são tóxicas e contra-indicadas para o uso em cães e gatos.

As doses podem variar muito entre as espécies.

NUNCA MEDIQUE SEU ANIMAL SEM ORIENTAÇÃO VETERINÁRIA!

Após o atendimento veterinário, siga as recomendações e evite agitar muito seu animal.

Se ele estiver muito quieto, pode ser que ainda esteja sentindo dor, entre em contato com o(a) veterinário(a) que está tratando dele.

Facilite o acesso ao alimento, água e “banheiro”, mas cuidado para não deixar tudo muito perto, os animais não costumam gostar de dormir e comer perto de fezes e urina.

Não use fórmulas caseiras e “milagrosas” que prometem salvar seu animal. Pode ser perigoso.

O catnip, a erva do gato, apresenta propriedades analgésicas. Ele pode ser oferecido para auxiliar o controle da dor e oferecer conforto para seu gato, mas não é uma medicação indicada para tratamento da dor. Para saber mais sobre catnip, clique aqui.

Eu sempre prefiro exagerar ao usar analgésicos do que correr o risco de deixar um animal com dor, sem que a gente perceba. Me corta o coração.

Animais mais velhos que sofrem de doença articular (artrose), tendem a sentir dor crônica, constantemente, sem reclamar (para saber mais, clique aqui).

É muito importante ficar atento e fazer tudo que estiver ao nosso alcance para oferecer alívio e conforto para nossos queridos animais.

 

 

Leia mais →
gato caçador

Caçar é um comportamento natural dos gatos.

Nosso gato de estimação evoluiu dos gatos selvagens, que são caçadores perfeitos.

Eles foram desenhados evolutivamente para perseguir, caçar e matar pequenas presas como pássaros, pequenos roedores, insetos, lagartixas, baratas…

Sabemos que nossos gatos não precisam caçar para se alimentar, mas a diversão e a emoção que a caça proporciona continua muito presente e forte na vida deles.

O aprendizado e o exercício de perseguir de forma silenciosa, paciente e cuidadosa para depois dar o bote é muito importante para o desenvolvimento do gato.

O gatinho filhote precisa aprender como caçar com sua mãe e irmãos .

Sabemos que se um filhote não tiver esta oportunidade durante as primeiras 7 semanas de vida, tem maior chance de ser um gato “caçador de calcanhares”!

Para evitar este comportamento, leia o texto sobre “Brincar de morder”, clicando aqui.

Mas o que fazer quando ganhamos de presente uma barata semi-morta, delicadamente depositada no nosso colo?

Argh!

Nossa tendência natural é gritar, sair correndo e ainda dar uma bronca no gato!

Mas se for possível controlar sua reação, evite fazer um escândalo e jamais brigue com seu gato.

Tente se lembrar que para ele, a caça é um troféu e ele está muito orgulhoso desta façanha!

Se você não fosse de confiança, ele nunca entregaria um bem tão precioso a você!

Mas se esta situação é recorrente e seu gato está colocando em risco a vida de animais silvestres (ou passarinhos do vizinho), podemos tentar minimizar este comportamento, redirigindo a energia dele.

Adquirir outro gato pode ser interessante para satisfazer os instintos de caça através de brincadeiras entre eles, mas muitos cuidados devem ser tomados.

Antes de adotar outro gato, leia os textos:

Gatos, quanto mais melhor????

Introduzindo um Novo Animal na Casa

Mantenha seu gato dentro de casa. Já postei um texto sobre este assunto. A liberdade é inimiga da segurança! Saibas as diferenças do estilos de vida “livre” e “confinado”, clicando aqui.

Considere colocar um guizo na coleira do seu gato. A maioria das presas vai perceber a presença dele pelo barulho e fugir, frustrando o sucesso da caça.

Mantenha seu gato sempre bem alimentado. Não sentir fome é um motivo a menos para despertar instintos caçadores!

 

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato