janela

Todos nós que amamos os animais sabemos a dor que sentimos quando eles se vão.

Só quem experimenta e vivencia tanto amor pode entender o tamanho da dor desta perda.

Já escrevi um texto sobre este assunto, para ler, clique aqui.

Mas quando um cão ou gato morre, como ficam os outros animais da casa?

Na maioria das vezes, percebe-se uma mudança no comportamento deles.

Eles podem ficar menos participativos, mais letárgicos, alguns chegam a comer menos, latir ou miar demais ou ficar muito dependentes dos membros da família, como se estivessem inseguros.

De acordo com a observação destes sinais, podemos dizer que os cães e gatos vivem um processo de luto.

Como eles não falam, não temos como saber exatamente o que estão pensando e sentindo, mas podemos interpretar os sinais que eles apresentam.

Os sinais podem ser semelhantes aos sintomas de algumas doenças, logo, se o animal estiver prostrado e/ou se alimentando pouco, é importante levá-lo para atendimento veterinário.

Se o animal que morreu estava internado ou foi à clínica e não voltou mais para casa, podemos perceber que o animal que está em casa apresenta sinais de quem está esperando o retorno do seu companheiro – pode ser um olhar pela janela ou uma espera próxima à porta, por exemplo.

Infelizmente não temos como trazer o animal que morreu de volta, mas nós podemos e devemos ajudar!

Doses extras de atenção, carinho e atividades são a melhor maneira!

Procure focar a atenção em brincadeiras interativas: esconda petiscos e brinquedos, capriche nos passeios (se for um cão) e promova enriquecimento ambiental na casa (especialmente para os gatos – para saber mais, clique aqui).

Se o seu animal não se animar nem se envolver nestas brincadeiras em um primeiro momento, tenha paciência.

Se o seu cão ou gato estiver miando ou latindo muito, evite recompensá-los com atenção. Espere-os parar de vocalizar e chame-os para brincar, receber carinho etc.

Assim como para nós, o tempo ajuda muito nesta recuperação.

Um estudo da Associação Americana de Prevenção à Crueldade Animal (ASPCA), de 1996, mostrou que a maioria dos cães se recuperaram bem duas semanas após a morte de um companheiro canino. Mas houve animais que chegaram a demorar seis meses para se recuperar completamente.

Se sua família estiver considerando adquirir um novo animal, espere seu bicho se recuperar. Obrigá-lo a aceitar um novo companheiro pode ser muito estressante, especialmente se for um gato triste ou se o novo animal for um filhote cheio de energia.

Saiba que seu animal pode estar sofrendo assim como você, a perda de um bicho querido.

 

Leia mais →
cemiterio

Esse assunto é desagradável, mas temos que pensar nele.

Todos morreremos. Quando? Não sabemos. Mas temos certeza que seremos enterrados ou cremados de maneira apropriada. Já os animais…nem sempre.

A morte de um animal de estimação representa um momento muito difícil para a família, que precisa lidar simultaneamente com a perda afetiva e decisões de ordem prática, como a destinação do cadáver.

Os cadáveres de animais não devem ser dispensados como lixo comum. Primeiro, porque temos fortes laços afetivos, e em segundo lugar, porque microrganismos oriundos da decomposição de cadáveres (ou agentes etiológicos de algumas doenças que acometem os animais), podem contaminar o solo, lençóis freáticos e poços artesianos, pondo em risco a saúde da população.

É fundamental que o tutor do animal tome este cuidado e peça orientação para seu veterinário. Existem serviços de sepultamento e cremação disponíveis para todos os bolsos. É possível escolher uma lápide ou recolher as cinzas, de acordo com a vontade e possibilidades da família do animal.

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato