adestramento positivo

Na minha experiência como veterinária há mais de 20 anos, posso afirmar que a família brasileira não tem o hábito de adestrar seus cães.

Acredito que isto ocorra por uma mistura de motivos:

  • más experiências com adestradores, muitas vezes truculentas
  • falta de hábito, não víamos nossos avós adestrar os cães
  • preconceito em acreditar que um cão adestrado vira um robô, sem personalidade própria
  • falta de planejamento – começar cedo, assim que o filhote chega é a melhor opção
  • cães que quase não saem de casa – não são expostos a situações novas, desafiadoras
  • falta de respeito com as pessoas que têm medo de cães
  • pouca ou nenhuma fiscalização/responsabilidade – cães sem coleira e guia passeando na rua, animais invadindo os quintais dos vizinhos, pulando muros etc

Está na hora desta situação mudar!

Cães que aprendem a se comportar podem nos acompanhar em parques, programas em família, festas, viagens, ter acesso a casa toda, conviver com a família e visitas além de ser um aprendizado muito divertido para os cães e para os humanos!

Mas…como adestrar?

Existem muitas técnicas, algumas melhores outras piores.

Felizmente, a ciência já provou que os cães não precisam e não devem ser punidos para aprender.

Quando falamos sobre punição, normalmente nos referimos a punição positiva.

Punição positiva é um conceito técnico que significa adicionar alguma ação que faça o comportamento do cão diminuir, como enforcadores, trancos na coleira, “cutucadas”, gritos ou até mesmo obrigar o cachorro a ficar de barriga para cima (conhecido como “alpha roll“).

Este tipo de punição é extremamente desagradável/dolorosa para o cão e desnecessária para o processo de aprendizado.

O risco do cachorro desenvolver medo, ansiedade, agressão e viver numa situação de estresse é muito alto.

Também é bastante comum o cão associar a punição ao seu dono/tutor e passar a ter medo dele.

Os estudos provam que os métodos que usam premios, carinhos e brincadeiras são eficazes e muito melhores para o bem estar dos animais.

O objetivo é ensinar o cão sem puní-lo!

A força do hábito costuma prevalecer e mesmo sem perceber as pessoas perdem a calma.

Gritar, puxar, usar coleiras enforcadoras (gostaria de não falar em bater, mas infelizmente a nossa realidade é esta) e perder a cabeça não ajuda ninguém a aprender nada – só aumenta o nível de estresse de todos os envolvidos.

Numa situação difícil quando o cachorro está latindo e pulando, gente gritando, o melhor a fazer é manter a calma.

Gritar mais só piora a situação. Respire fundo, tente agir com tranquilidade.

Não vai ser num clima de loucura que seu cão vai aprender a sentar para receber uma visita, por exemplo.

Num primeiro momento, os treinamentos precisam acontecer em locais calmos, seguros e conhecidos pelo cão.

Os momentos do treino também precisam ser controlados, não deve haver distrações como pessoas, barulhos e cães desconhecidos interferindo.

O cão deve ser elogiado sempre que se comportar bem.

Podemos falar de forma doce, oferecer um alimento especial, fazer um carinho e/ou oferecer um brinquedo querido.

Usando este método, eles demonstram elevados níveis de obediência e desenvolvem poucos problemas comportamentais.

Depois que o cão já estiver entendendo e atendendo os comandos, é a hora de começar a usá-los em situações mais desafiadoras, como na hora de sair para passear, por exemplo.

O objetivo é o cachorro aprender a controlar a ansiedade, aprender a esperar.

Desta forma ele realmente aprende a se comportar porque vale a pena, por que é bom e não porque está com medo de ser punido.

Existem muitos adestradores profissionais, métodos, livros, programas de TV e canais na internet sobre este assunto.

É importante saber escolher e evitar que nossos amados cães sejam ensinados como antigamente.

Já falei aqui sobre o “Mito da dominância”, os cães não precisam ser submissos aos humanos, nós não somos da mesma espécie! Para saber mais, clique aqui.

Eles nos amam e respeitam, mas não porque se sentem ameaçados e sim porque aprenderam que esta convivência vale a pena.

Este assunto é vasto…prometo voltar a este tema.

Leia mais →
Dogs-on-podium

A teoria da dominância, muito divulgada e aceita por muitos anos, se baseou no fato dos cães serem descendentes dos lobos.

Esta teoria diz que precisamos dominar os cães para eles nos respeitarem, que sempre haverá um líder que comanda todo seu grupo.

Estudos recentes provaram que é desnecessário, arriscado e inapropriado dominar os cães para treiná-los.

Os cães aprendem muito melhor se forem elogiados, incentivados e premiados quando eles acertam do que se forem punidos quando erram.

Nosso papel é induzi-los, favorecendo os acertos.

No estudo do comportamento dos lobos, observou-se que eles se organizavam de forma hierárquica.

Os lobos dominantes comandavam o grupo (alcateia) e os submissos respeitavam esta regra.

Atualmente, sabemos que estes estudos foram realizados com lobos que viviam livres, mas suas origens eram diferentes, isto é, eles estavam formando um grupo, mas não de forma natural.

Um lobo tinha vindo de uma região, outros foram capturados em outra e foram colocados no mesmo território.

Só esta informação já pode modificar muito a interpretação dos resultados.

O comportamento natural dos lobos nos ajuda a compreender alguns comportamentos dos cães, mas não podemos dizer que eles se comportam de maneira igual.

A domesticação dos cães (em torno de 14 mil anos atrás) promoveu muitas diferenças físicas e comportamentais entre eles e os lobos.

A dominância define relações entre os indivíduos e geralmente um indivíduo não é sempre dominante ou sempre submisso.

Estas características nós observamos nos cães.

Quem convive com mais de um cachorro já deve ter percebido que para um deles, comer primeiro é fundamental. Para o outro, cumprimentar quem chega em casa, na frente dos outros, é sua prioridade. Enquanto para um terceiro cão, passear na frente de todo mundo, é seu objetivo.

É claro que existem hierarquias sociais, mas elas não são sempre baseadas na dominância.

Nos estudos de espécies que apresentam uma hierarquia estável, também existem conflitos! Este é mais um motivo para questionarmos a dominância como justificativa para o bom relacionamento de um grupo.

Devemos repensar a forma de lidar com cães, evitando usar métodos punitivos que além de causar medo e dor nos animais pode ainda gerar reações agressivas perigosas.

Para saber mais sobre adestramento, clique aqui.

O treino positivo é muito mais eficaz e gentil!

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato