fogos brasil

A maioria dos cães sofre quando estouram fogos.

Pode ser em época de jogos de futebol, no réveillon, nas festas juninas e até mesmo quando tem tempestade com trovões.

Um dos motivos, é o fato da audição dos cães ser mais sensível que a humana. Eles alcançam uma frequência maior que a nossa:

Homem – 20 Hz a 20 Khz

Cão  – 40 Hz a 60 Khz

Gato – 20 Hz a 78 Hz

Isto significa que eles escutam sons inaudíveis para nós.

A falta da consciência também influencia muito. Quando escutamos o barulho de uma bomba, podemos até levar um susto, mas sabemos que foi alguém que produziu aquele som, pra a se divertir.

Para os cães, além de ser um som muito forte e alto, é uma surpresa. Eles não sabem a origem e podem confundir com o som de uma catástrofe natural como um terremoto, um desabamento. Quem não se lembra dos animais fugindo da Tsunami minutos antes dela acontecer?

Nós podemos e devemos ajudá-los.

Existe tratamento, e o ideal é a dessensibilização.

Isto significa expor o animal ao som, gradualmente enquanto ele se diverte. Se for bem feito, o cão pode ficar curado e não mais apresentar os sinais de pânico. Peça ajuda ao seu veterinário, existem CDs com este programa de dessensibilização e opções na internet. Muitos animais, precisam da ajuda de medicações, para lidar melhor com o tratamento.

Mas estamos em plena Copa do Mundo… não dá para tratá-lo a tempo, mas podemos ao menos amenizar o sofrimento.

Se o seu animal apresenta sinais de pânico, procura se esconder e até mesmo “atravessar” paredes quando os fogos começam, procure seu veterinário e converse sobre a possibilidade de medicá-lo.

Se a família vai ficar em casa, evite consolar o cão quando ele demonstrar desespero. Tente distraí-lo com uma brincadeira, por exemplo. As palavras e gestos carinhosos que usamos para confortar um cão pode confundi-lo. Ele pode achar que estamos elogiando aquele comportamento medroso, fóbico.

Alguns animais ficam completamente “dominados”, congelados pelo medo e chega a ser impossível desviar a atenção deles para outra atividade.

Neste caso, deixe seu cão no local preferido da casa, perto de você ou com uma peça de roupa sua usada perto dele.

Ligue a TV ou o som (alto), com uma música suave (existem músicas compostas especialmente para cães e gatos! Clique aqui), feche as janelas e ligue o ar condicionado ou ventilador na modalidade mais barulhenta.

Ofereça brinquedos interativos (existem vários tipos para rechear com petiscos, por exemplo), mas se o animal estiver em pânico, ele não vai se interessar.

Facilite o acesso dele ao “esconderijo” favorito – pode ser embaixo da cama, atrás do sofá, numa caixa de papelão (os gatos amam!), na caixa de transporte, ou até mesmo atrás de você ou embaixo as suas pernas.

Não brigue com ele, em hipótese nenhuma!

Não faz o menor sentido dar broncas e chamá-lo de medroso ou fracote – não ajuda em nada e só deixa o animal mais aflito.

Essas medidas não vão livrá-lo do medo, mas podem ajudar.

Boa sorte Brasil!!!

(mas evite soltar fogos! os animais agradecem!)

Leia mais →
encontro 211217

No dia 21/12/2017, conversamos sobre animais para adoção, medo de fogos e conhecemos a linda história do cão Artur.

Clique aqui para assistir o bloco sobre adoção

Clique aqui para assistir a parte dos fogos

Clique aqui para assistir a matéria sobre um cão que trabalha num crematório para ajudar a confortar as famílias enlutadas

Leia mais →
cat-dog-fireworks

Este ano eu gravei uma entrevista para o Dr. Alexandre Figeuiredo do Blog, Dicas Boas pra Cachorro, sobre como ajudar os animais que sofrem com os barulhos de fogos.

Confira o vídeo:

Leia mais →
reveillon-rio-de-janeiro-02

Todo fim de ano recebo alguns telefonemas com esta mesma preocupação.

Quem tem um animal que sofre com medo de fogos tem muitos motivos para se preocupar.

Ter medo dos fogos é normal.

Para os animais, os barulhos altos costumam significar a aproximação de um perigo.

É um instinto de proteção fugir e/ou se esconder para não se machucar.

Outro motivo, é o fato da audição dos cães e gatos ser mais sensível que a humana. Eles escutam um intervalo de frequência maior que o nosso:

Homem – 20 Hz a 20 Khz

Cão  – 40 Hz a 60 Khz

Gato – 20 Hz a 78 Khz

Isto significa que eles percebem sons inaudíveis para nós.

Alguns animais são mais medrosos que outros por questões genéticas ou porque já sofreram experiências traumáticas em dias de queimas de fogos, tiroteios ou tempestades.

Existe tratamento para o medo. Mas requer tempo e paciência. Para saber mais, clique aqui.

Se estiver muito em cima da hora, não dá tempo de tratar o animal, mas nós podemos e devemos ajudá-los.

Nosso papel é transmitir segurança para o animal com medo. Mas geralmente, a nossa maneira de fazer isso é pegando ele no colo, fazendo carinho e confortando-o.

Agir assim não é recomendado. O animal pode confundir  a nossa atitude e achar que estamos elogiando e premiando o comportamento medroso com a recompensa do carinho

E ainda pior: o bicho pode pensar que nós também estamos inseguros.

Então, como agir?

O tratamento ideal é a dessensibilização. Mas este processo é longo (pode demorar alguns meses).

Isto significa expor o animal ao som, gradualmente, enquanto ele se diverte. Se o tratamento for bem feito, o cão pode ficar curado e não mais apresentar os sinais de pânico.

Existem CDs com este programa de dessensibilização. Se necessário, peça ajuda ao seu veterinário e/ou adestrador.

Se o seu animal tem uma “toca”, um local protegido que ele se sente bem, facilite o acesso dele a este local.

Se o seu cachorro conhece comandos de adestramento, experimente fazer exercícios, elogiar e brincar bastante com ele assim que começam os barulhos dos fogos. Esta medida faz com que ele sinta uma sensação de bem estar e relaxamento, transformando o estado emocional dele.

Alguns animais ficam completamente “dominados” pelo medo e chega a ser impossível desviar a atenção deles para outra atividade. Neste caso é necessário realizar a dessensibilização com antecedência.

Se a família vai sair de casa para a passagem de final de ano, deixe seu animal no local que ele mais gosta da casa, de preferência com uma peça de roupa sua usada, perto dele.

Ligue o som (alto), com uma música suave, feche as janelas e ligue o ar condicionado ou ventilador na modalidade mais barulhenta. Ofereça brinquedos interativos para os cães (existem vários tipos para rechear com petiscos, por exemplo) e não se despeça, se for sair.

O ideal é ele estar cansado. Leve-o para passear, correr e brincar MUITO na tarde do dia 31/12, antes dos “ansiosos de plantão” começarem a soltar fogos.

O colete “Thundershirt” (à venda em algumas petshops) também ajuda bastante.

Eu também recomendo o colete para outros medos (ex: medo de rua, de consulta veterinária) e para animais que sofrem de ansiedade de separação (saiba mais aqui) .

Se o seu animal apresenta sinais de pânico, procura se esconder e até mesmo “atravessar” paredes quando os fogos começam, procure seu veterinário e converse sobre a possibilidade de medicá-lo.

Infelizmente, não existe um calmante ou outro medicamento que seja seguro e ofereça o efeito desejado imediatamente.

Talvez não dê mais tempo de tratá-lo para este réveillon, mas comece e invista no tratamento, ele vai te agradecer no ano que vem!

Feliz Ano Novo!

 

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato