coceira

Eu recebo muitos emails com perguntas e dúvidas dos meus leitores.

Alguns assuntos são muito recorrentes, como os problemas de pele.

Os cães apresentam com muita frequência, prurido (coceira), feridas, falhas no pelo, mau cheiro na pele e crostas.

As causas são muito variadas, mas a alergia costuma ser a campeã!

É impossível avaliar e opinar sem examinar a pele de um animal.

Muitas vezes é necessário fazer exames complementares (raspados de pele, citologias, culturas, exames de sangue) para chegar ao diagnóstico e planejar o tratamento.

É fundamental levar seu cachorro para atendimento veterinário.

O aspecto da pele pode ser muito parecido entre 2 animais e a causa pode ser completamente diferente, por este motivo, não é recomendado seguir conselhos de algum amigo ou vizinho que está com problemas semelhantes.

Para saber mais, clique nos links abaixo:

Doenças de pele

Alergias

Pintas, manchas e bolinhas na pele

Comportamento: se coçar é normal?

Leia mais →
Dog with Camera

O Bicho Saudável e a Pets du Monde estão oferecendo um kit de petiscos especiais para a foto mais bacana!

Você precisa curtir as páginas do Facebook e Instagram e enviar a foto do seu cachorro para ritaericson@bichosaudavel.com

Pets du Monde – clique aqui  para Facebook e aqui para Instagram

Bicho Saudável – clique aqui para Facebook e aqui para Instagram

A foto mais bonita será premiada com um kit da Pets du Monde, contendo:

1 pacote de CANNIX Ramas Fígado 150gkit pets du monde
1 pacote de bifinhos de Frango
1 twist 2 peças fígado
1 saquinho de mini ramas banana&canela 70g
1 saquinho de mini ramas frango&abobora  70g
1 saquinho de mini ramas fígado  70g

 

Envie sua foto até o dia 30/07/17!

A entrega será realizada pelos Correios.

É importante que o ganhador se encontre em território nacional.

A Pets du Monde é uma empresa dedicada à produção de alimentos naturais para pets. Nosso objetivo é contribuir positivamente para a saúde e bem estar dos animais de estimação, em retribuição ao carinho e fidelidade com os quais eles nos prensenteiam todos os dias. Esses companheirinhos, que demonstram tanto carinho e amizade incondicionais, nos dão bons exemplos de comportamneto amoroso. Trabalhar para o bem-estar deles é contribuir para a felicidade desta relação tão singular.

Apresentando soluções alimentícias naturais e sustentáveis, temos o sonho de mudar a forma como a sociedade entende a alimentação dos animais de estimação.

A saúde é essencial e uma alimentação qualificada é a base para um dia-a-dia feliz.

Garanta uma vida longa para seu pet consumindo produtos alimentícios de qualidade.

SIMPLIFICAR PARA MELHORAR

Utilizamos apenas ingredientes selecionados na sua forma mais natural, com pouco processamento industrial, os quais são associados de forma balanceada gerando produtos mais saudáveis.

A apreciação por nossos amigos de estimação é garantida pelo sabor das proteínas com alta digestibilidade, que são usadas na composição dos nossos petiscos e alimentos. É a associação correta dos ingredientes, com a qualidade das matérias-primas e com a textura dos produtos que os torna tão saborosos e atrativos.

Mantemos na nossa unidade industrial, um excelente padrão de higiene e de constante monitoramento das boas práticas de manufatura.

Leia mais →
Deusa egípcia Bastet

Acredito que todo mundo já ouviu esta crendice, pelo menos uma vez na vida.

Sabemos que os gatos são companheiros maravilhosos independente da cor de sua pelagem.

Estudos já comprovaram que a convivência com animais de estimação traz muitos benefícios para a saúde como:

  • redução da pressão arterial
  • aumento da secreção de serotonina, aumentando a sensação de prazer e fortalecendo o sistema imunológico
  • auxilia no tratamento da depressão: facilitando a socialização, aumentando a auto-estima, fazendo o paciente se sentir útil

Mas de onde vem este preconceito contra os gatos pretos?

Vem lá do tempo da Inquisição, na Idade Média, quando se acreditava que os gatos eram filhos do demônio e das bruxas e que deveriam ser exterminados.

Houve uma grande perseguição aos gatos nesta época, o que contribuiu muito para a reprodução dos ratos e suas pulgas transmissoras da peste negra, doença que dizimou quase a metade da população da Europa.

Desde então o preconceito se instalou.

Alguns países como a Escócia e Japão, consideram o gato preto um símbolo de sorte!

No passado, os piratas e pescadores também achavam que a presença de um gato preto no barco significava proteção e segurança durante as viagens.

A figura deste gato que ilustra o post é de uma deusa egípcia famosa, a Bastet que possui cabeça de gato, demonstrando a adoração e respeito que os egípcios tinham por esta espécie. Também foram encontradas muitas ossadas de gatos junto as de humanos, mostrando que eles eram amados e enterrados juntos.

Infelizmente, este preconceito dificulta muito a vida dos gatos pretos.

Uma pesquisa de 2014 no Reino Unido, mostrou que 70% dos gatos de abrigos eram da cor preta. Eles são os que tem mais dificuldade de adoção. Não se sabe se o único motivo é a superstição ou se eles são considerados “menos fotogênicos” que outras pelagens.

Aqui no Brasil a situação é bastante parecida.

A maioria das ONGs e instituições de proteção animal relatam que têm dificuldade em doar os gatos pretos.

Existem muitos gatos lindamente pretos precisando de amor e carinho.

Algumas sugestões locais para adoção: G.A.R.R.A animal, Oito Vidas, Adoráveis Viralatas, Bigodes do Bunker, Ampara animal, abrigos das prefeituras (no RJ: UJV e Fazenda Modelo)

Leia mais →
gato e cachorro

A dor é uma sensação desagradável que sentimos quando ocorre uma estimulação em terminações nervosas específicas, os receptores da dor.

Em geral, ela é causada por uma irritação, inflamação ou dano em alguma estrutura do corpo.

A dor é um mecanismo de proteção para o animal tentar se proteger e evitar o dano.

O limiar de dor e sua percepção são muito variáveis entre os indivíduos. Sabemos que existem pessoas que suportam muita mais a dor do que outras.

Com os animais também funciona assim.

Na maioria das vezes os gatos parecem ser mais resistentes à dor do que os cães.

É praticamente impossível mensurar a dor que os animais sentem, os testes realizados com seres humanos dependem do depoimento de cada um e como sabemos, os cães e gatos não falam.

A dor pode ter causas muito diferentes como: traumas, queimaduras, inflamações, estiramentos musculares etc.

Todas as regiões do corpo podem ser afetadas como: articulações, ossos, músculos, pele, olhos, ouvidos, tórax, abdome etc.

Os animais podem manifestar sintomas de dor de diferentes formas e precisamos ficar muito atentos!

Na natureza, os animais não costumam demonstrar sinais claros de dor para evitar que sejam presas fáceis.

A tolerância individual e a personalidade de cada animal vai determinar como ele vai se expressar.

Raramente um cão ou gato grita, chora ou reclama de dor.

Isto ocorre com frequência quando a dor é aguda, como num pisão de cauda acidental, por exemplo.

Na maioria das vezes os animais ficam quietos, se mexem pouco e evitam ser manipulados. Eles podem evitar contato e até demonstrar agressividade.

Preste atenção se ocorrer uma diminuição do apetite, mudança nos padrões respiratório e cardíaco (muito rápido, em geral).

Se a dor for numa extremidade (numa das patas, por exemplo) o animal pode lamber, morder, mancar e ficar mexendo insistentemente no local.

Para identificar a dor e diagnosticar sua causa, é fundamental levar seu animal para atendimento veterinário.

Se não houver um motivo evidente, como um trauma, uma pata quebrada, por exemplo, o seu animal deve ser examinado detalhadamente.

O(a) veterinário(a) vai precisar saber o que aconteceu (histórico), fazer um exame físico e em muitos casos, pode ser necessário realizar exames complementares (radiografia, ultrassonografia, exames de sangue).

Durante a consulta veterinária, examinamos o animal atentos a alguns sinais, como uma virada rápida de cabeça, um olhar diferente, um “puxão” na região dolorida etc.

Se o animal estiver sentindo muita dor, é fundamental que a manipulação e transporte sejam feitos com muito cuidado e segurança.

O tratamento da dor, depende muito da sua causa.

O uso de analgésicos é indicado, mas muitas medicações humanas são tóxicas e contra-indicadas para o uso em cães e gatos.

As doses podem variar muito entre as espécies.

NUNCA MEDIQUE SEU ANIMAL SEM ORIENTAÇÃO VETERINÁRIA!

Após o atendimento veterinário, siga as recomendações e evite agitar muito seu animal.

Se ele estiver muito quieto, pode ser que ainda esteja sentindo dor, entre em contato com o(a) veterinário(a) que está tratando dele.

Facilite o acesso ao alimento, água e “banheiro”, mas cuidado para não deixar tudo muito perto, os animais não costumam gostar de dormir e comer perto de fezes e urina.

Não use fórmulas caseiras e “milagrosas” que prometem salvar seu animal. Pode ser perigoso.

O catnip, a erva do gato, apresenta propriedades analgésicas. Ele pode ser oferecido para auxiliar o controle da dor e oferecer conforto para seu gato, mas não é uma medicação indicada para tratamento da dor. Para saber mais sobre catnip, clique aqui.

Eu sempre prefiro exagerar ao usar analgésicos do que correr o risco de deixar um animal com dor, sem que a gente perceba. Me corta o coração.

Animais mais velhos que sofrem de doença articular (artrose), tendem a sentir dor crônica, constantemente, sem reclamar (para saber mais, clique aqui).

É muito importante ficar atento e fazer tudo que estiver ao nosso alcance para oferecer alívio e conforto para nossos queridos animais.

 

 

Leia mais →
duvida cao

Muitas pessoas me perguntam porque seus cães possuem 2 “bolinhas” ao lado do pênis.

Às vezes até confundem com os testículos.

Esta estrutura se chama bulbo peniano e só é possível percebê-la se o cão estiver excitado.

Outra curiosidade a respeito do pênis dos cães também é bastante desconhecida: eles possuem um osso no pênis!

Estas características são responsáveis pelo sucesso da reprodução canina.

Quando o cão macho fica excitado, o pênis aumenta muito de volume e seria impossível penetrar na fêmea desta maneira.

Por este motivo, o macho possui um osso, que funciona como um guia para introduzir o pênis (antes de aumentar de tamanho), na vagina da fêmea.

Após a penetração, o pênis aumenta muito de volume e o bulbo peniano aumenta, funcionando como o famoso “nó”, que prende o macho na fêmea.

Este bulbo só vai diminuir após a ejaculação, garantindo assim, o sucesso da reprodução.

Por isso não devemos NUNCA tentar separar um casal de cães acasalando.

Sei que muitas vezes a reprodução não estava planejada, o acasalamento ocorreu sem querer, mas neste momento não adianta mais tentar evitar e o risco de machucar os animais é muito grande.

Um cão pode demorar alguns minutos para ejacular e muitas vezes os animais viram de costas um para o outro, durante o ato sexual.

Desta forma, o macho consegue voltar a apoiar as 4 patas no chão. sexo

Durante o acasalamento, não percebemos o aumento do bulbo peniano, porque o cão está “engatado” na cadela.

Mas em algumas situações do dia-dia, percebemos o aparecimento do bulbo peniano ao lado do pênis – geralmente quando o cão fica excitado, brincando com um bicho de pelúcia ou com outro animal. Não se preocupe! Após a excitação, o pênis voltará ao seu tamanho normal.

bulbo peniano canino

bulbo peniano, pênis exposto

bulbo peniano

bulbo peniano, pênis dentro do prepúcio

A anatomia dos cães é diferente da nossa e antes de se assustar ou tentar “corrigir” alguma alteração, converse com a(o) veterinária(o) do seu animal.

Leia mais →
cerenia kombi

A Cinetose, também chamada de enjoo de movimento é uma condição que se caracteriza pela sensação de enjoo ou náusea quando se anda em qualquer meio de transporte (carro, barco, avião, trem), ou quando o corpo se movimenta de forma não habitual, perturbando o sistema vestibular, responsável pelo equilíbrio.

Esta condição é muito comum em crianças e em…cachorros!

Nada menos relaxante numa viagem do que ver seu animal enjoado, babando e ter seu carro todo vomitado!

Na maioria das vezes, os sintomas cessam assim que o carro para de andar, mas se sentir enjoado sempre que anda de carro, pode fazer com que seu cachorro não goste nem de entrar no carro!

Existem algumas maneiras de lidar com a cinetose.

O ideal é acostumar seu cão a entrar no carro para pequenos passeios, com o trajeto curto, sem muitas curvas e andando em velocidade baixa.

Este treinamento pode fazer seu cão perder o medo e o desconforto aos poucos, especialmente quando o destino final do passeio é agradável, como um parque ou uma praça.

O habito de entrar no carro só para programa chato, como tomar banho (se ele não gosta, é claro) ou tomar vacinas pode ter o efeito contrário: seu cachorro passa a ter certeza que andar de carro é um péssimo programa…

Como temos cada vez menos tempo para dedicar aos nossos animais, não podemos deixar que um problema como este acabe limitando nossas viagens e passeios. Há quem deixe de levar seu cão para algum programa, para evitar que ele fique enjoado e suje o carro todo.

Se o seu cão enjoa e você já tentou acostumá-lo ao carro aos poucos, talvez ele precise ser medicado.

As drogas indicadas para o enjoo humano devem ser usadas com cautela nos animais, pois as dosagens são muito diferentes e um erro pode levar a alguns efeitos indesejados.

A melhor opção para prevenir a cinetose é uma medicação de uso veterinário, chamada Cerenia, facilmente encontrada nas petshops.

Mas é importante que ela sejam administrada 2 horas antes do passeios de carro e o animal deve estar em jejum há pelo menos 1 hora.

Converse com o(a) veterinário(a) do seu cão.

Também é indicado que o animal esteja em jejum e para os que gostam de opções mais naturais, indico que se coloque um ramo de salsa dentro do carro.

O hábito de colocar a cabeça para fora do carro, sentindo o vento e olhando para fora também pode ajudar, mas CUIDADO! Os animais devem viajar na caixa de transporte e/ou presos no cinto para maior segurança dele e de sua família.

O vento muito forte também pode causar lesões nos olhos, evite este risco.

Se a viagem for de avião, os cuidados precisam ser maiores, especialmente se for indicada a sedação do animal.

Como as drogas sedativas podem oferecer efeitos colaterais, só use-as se for realmente necessário e com orientação veterinária. Durante o voo, dificilmente vai ser possível examinar e medicar um animal passando mal.

Para mais dicas sobre viagens com animais, clique aqui.

Leia mais →
pascoa cao e gato

Assim como as crianças, os animais adoram os chocolates e as cestas de Páscoa.

Mas nossos curiosos cães e gatos amam TODO o conteúdo da cestinha: papéis coloridos, fitas, plástico e é claro, o chocolate.

Os pedaços das embalagens e os pequenos brinquedos são perigosos porque são feitos de material não digerível e oferecem o risco de causar uma obstrução intestinal ou até mesmo uma perfuração, se ingeridos.

Se você suspeitar que seu animal engoliu algum pedaço de plástico, leve-o ao veterinário. Não espere até o animal começar a vomitar, isso pode dificultar a remoção do corpo estranho.

O outro risco é o próprio chocolate. Ele é tóxico para cães e gatos por conter muita gordura, cafeína e teobromina (estimulantes do sistema nervoso). Dependendo do tipo do chocolate e da quantidade ingerida pode causar vomito, diarreia, hiperatividade, tremores musculares e respiração curta e ofegante.

O chocolate branco é o menos tóxico de todos e para causar problemas, o animal precisa comer aproximadamente 500 g para cada Kg de peso! Isto é praticamente impossível.

O chocolate em pó é o mais tóxico e bastam 30 g para um animal de 10 Kg começar a apresentar sintomas leves de intoxicação.

O tratamento deve ser feito por um veterinário e pode ser necessária internação para fluidoterapia, controle de vômitos e até sedativos para interromper o efeito estimulante do chocolate.

A melhor forma de lidar com estes riscos é a prevenção. Não deixe seu animal brincar com as embalagens e as cestas de Páscoa sem supervisão. Se quiser, presenteie-o com um petisco para animais em forma de cenoura, ovo, coelho…mas não deixe-o comer os chocolates das crianças.

Animais não são brinquedos! Oferecer coelhos de verdade como presente de Páscoa costuma ser uma péssima ideia. Os coelhos são animais muito assustados, eles não costumam se adaptar bem à manipulação dos humanos. Como eles são muito fofinhos, a vontade que sentimos é de pegar no colo e abraçá-los. As crianças não resistem.

Quando o coelho sente medo, ele tenta escapar do nosso colo e sem querer, acaba nos arranhando. Outro risco é que ele se machuque, na queda.

A expectativa de vida de um coelho criado em casa pode chegar a 10 anos. Por estes motivos, evite que coelhos sejam dados como uma lembrança de Páscoa.

Boa Páscoa!

Leia mais →
dalmata ventilador

Quem gosta de cachorro e gato costuma passar bastante tempo acariciando o pelo macio e gostoso deles.

De vez em quando sentimos uma alteração na pele, como uma casquinha, uma verruga ou uma “bolinha” e nos preocupamos, é claro.

As doenças de pele podem causar muitas alterações na coloração, espessura e até no odor da pele – para saber mais sobre elas, clique aqui.

Mas além destas alterações, geralmente causadas por alergias e infecções na pele, também podemos perceber manchas, pintas e algumas elevações na pele dos animais.

É importante avaliar se estas alterações são normais ou se precisam de mais atenção e tratamento.

Quando percebemos um crescimento de tecido, normalmente sentimos uma “bolinha” embaixo da pele ou elevada, sobre a pele.

Estas lesões podem ser menores (pápulas) ou maiores (nódulos) e costumam ser muito comuns nos animais mais velhos.

Nesta hora, muitos se preocupam e pensam logo que pode ser um câncer de pele, mas nem sempre a lesão está relacionada a uma doença grave.

Um crescimento na pele pode ser um tumor benigno ou maligno, um cisto, um abcesso, um hematoma (assim como nós, eles podem formar após um trauma) ou até mesmo uma reação alérgica aguda.

Um nódulo “solto” e macio embaixo da pele costuma ser um lipoma que é um tumor benigno de gordura, muito comum em animais gordinhos e mais velhos.

Nem sempre a alteração na pele apresenta um aumento de volume, como uma “bolinha”.

É muito comum encontrarmos manchas e/ou pintas mais escuras na pele dos cães e gatos. Estas pintas podem ser causadas por uma alteração na pigmentação da pele.

Algumas pintas e manchas podem ser normais, muito comuns nos animais mais velhos, que costumam aparecer na barriga e dorso (costas), assim como nós humanos apresentamos também no processo normal de envelhecimento.

A pele dos animais idosos sofre alterações comuns, se tornando mais espessa e escura, ela também perde a elasticidade e os pelos ficam mais escassos e grisalhos.

Para saber mais sobre animais idosos, clique aqui.

Outras alterações na coloração da pele podem ser causadas por tumores, como o melanoma, por exemplo.

Os animais também podem sofrer queimaduras de sol na pele! Especialmente se ele tem a pele rosa e os pelos brancos.

Gatos e cães brancos que se expõem ao sol forte devem usar protetor solar!

É serio! Especialmente nas orelhas dos gatos e focinhos dos cães (o bullterrier costuma se queimar). Eles podem desenvolver queimaduras sérias e câncer de pele.

É fundamental levar o animal para atendimento veterinário e definir a causa da lesão encontrada.

Se o crescimento for muito rápido ou se a lesão estiver dolorida, úmida e/ou com feridinhas, o animal deve ser examinado o quanto antes.

Quanto mais informações sobre as lesões, melhor!

  • há quanto tempo ela surgiu
  • houve crescimento? Rápido ou lento?
  • houve modificação na estrutura da lesão? Ela era solta? Fixa?
  • houve algum trauma ou injeção na região afetada?
  • foram percebidas outras lesões semelhantes?
  • houve modificações no estado geral do animal? Apetite? Disposição? Coceira/dor no local?

Há vários métodos diagnósticos disponíveis para avaliar um lesão de pele, como citologia, biopsia, cultura, entre outros.

A equipe veterinária responsável vai indicar o método mais adequado para cada caso.

Em alguns casos, pode ser recomendada cirurgia para remoção do tumor.

Quando o tumor é maligno pode ser indicado tratamento com quimioterapia.

Para saber mais sobre câncer em cães e gatos, clique aqui.

Quando o tumor é benigno, como um lipoma por exemplo, só indicamos a retirada se ele estiver incomodando – pode estar muito grande ou numa região que atrapalhe a vida normal do animal, como no pescoço ou embaixo da pata dianteira, por exemplo.

Nunca ignore alterações na pele do seu cão ou gato.

Pode ser uma bobagem ou uma doença mais séria.

Só o/a veterinário/a pode diagnosticar a causa e recomendar o tratamento mais adequado.

 

Leia mais →
giardiase-zoetis

A giardíase é uma doença causada pelo protozoário Giardia lamblia e pode ser transmitida do animal para o homem e vice-versa, e por isso é considerada uma zoonose pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Nós podemos nos contaminar quando ingerimos água ou alimentos contaminados pelos cistos (“ovos”) do protozoário, assim como os animais.

A giardíase é uma doença bastante comum e seus sintomas mais frequentes são:

  • diarreia, fezes pastosas e fétidas
  • vômitos
  • dor abdominal
  • desidratação e perda de peso

Por conta destes sintomas, a infecção pode ser facilmente confundida com outras doenças intestinais e tratada de maneira incorreta.

Para saber mais sobre fezes pastosas e diarreia, clique aqui.

Por isso, é fundamental identificá-la e, acima de tudo, preveni-la.

Para proteger o animal da giardíase, a vacina é a melhor opção.

O tratamentos é simples, mas as reinfecções são frequentes, pois os protozoários eliminados nas fezes podem contaminar novamente o ambiente e causar nova infecção.

A Zoetis disponibiliza a vacina Giardiavax, única no mercado brasileiro para evitar a giardíase em cães. Administrada em duas doses na primeira vacinação e em dose única anual para animais já vacinados, GiardiaVax é indicada para cães saudáveis a partir de oito semanas de idade, com intervalo de duas a quatro semanas entre as doses. A proteção é conferida 15 dias após a aplicação da segunda dose.

Também é importante caprichar na limpeza dos locais em que o cão mora ou frequenta.

Contaminação em humanos

Estudos científicos revelam que uma em cada cinco crianças brasileiras em fase pré-escolar (de 2 a 6 anos) apresentam infecção por giardíase. Em creches, a frequência da doença chega a atingir mais da metade das crianças, devido ao uso de água não fervida e não filtrada.

A lavagem das mãos apenas com água também é um fator de risco para a infecção. Vale lembrar que os cistos de Giardia e de outros parasitas podem ser encontrados em águas de esgoto, tanto tratado como não tratado.

Pensando na saúde pública, a Zoetis desenvolveu um vídeo sobre a doença, explicando a transmissão e os cuidados importantes para prevenção.

Assista:

Vamos proteger nossa família humana e peluda!

Leia mais →
keep calm and love cats

A toxoplasmose e a esporotricose são zoonoses, isto é, doenças que são transmitidas entre os animais e seres humanos e vice-versa.

A maioria das doenças não são transmitidas entre espécies diferentes, mas algumas são e precisamos saber como se dá a contaminação para evitar confusões, preconceitos e o abandono de animais.

TOXOPLASMOSE

A toxoplasmose é uma doença de interesse em saúde pública, pois pode provocar sérios danos aos fetos, tanto em humanos quanto nos animais. Seu agente etiológico é um protozoário denominado Toxoplasma gondii.

Todos os animais podem desenvolvê-la, mas os felídeos são os únicos hospedeiros definitivos.  Isto significa que eles são os únicos a eliminar os oocistos no ambiente.

A transmissão da doença pode ocorrer de três formas:

  1.  ingestão de carne crua ou mal cozida de animais infectados (ratos que os gatos caçam também!) contendo cistos de Toxoplasma, – fonte de infecção mais comum para os gatos e outros animais, inclusive os humanos – evite comer carne mal passada e oferecer carne crua para seu gato
  2. ingestão de oocistos eliminados nas fezes de gatos, mas é fundamental saber que estes oocistos precisam esporular, isto é, necessitam de alguns dias no solo para se tornarem infectantes. A contaminação pelas fezes dos gatos que usam caixa sanitária é muito difícil! Nós limpamos diariamente! Cuidado com alimentos contaminados por fezes, pois os oocistos podem ser transportados por baratas, moscas e minhocas
  3. infecção congênita, transplacentária (da grávida para os bebe, ou filhotes), esta fonte de infecção é incomum nos cães e gatos, mas pode ser causa de aborto, natimortos ou mortalidade neonatal

A doença é comum, mas os sinais clínicos são raros, sendo que nos gatos os órgãos mais afetados são os pulmões e os olhos, enquanto que nos cães podem ocorrer sintomas neurológicos.

A toxoplasmose nos seres humanos pode não apresentar sinais clínicos específicos, alguns pacientes apresentam febre, fraqueza e aumentos dos linfonodos, porém ela é capaz de causar doença severa, principalmente quando na sua forma congênita (transmissão da mãe para o bebe). Por este motivo, todas as grávidas precisam fazer exame específico para diagnóstico de toxoplasmose.

O diagnóstico deve ser realizado através de exames laboratoriais.

O tratamento existe e deve ser realizado, procure atendimento veterinário e/ou médico.

ESPOROTRICOSE

A esporotricose é uma micose causada por fungo (Sporothrix Schenckii) que vive nas plantas, restos vegetais e solo.

Ela é mais comum em pessoas que trabalham com plantas e terra como jardineiros e agricultores, por exemplo.

A contaminação ocorre quando o fungo penetra numa lesão na pele. Espinhos de flores, plantas e farpas de madeira são as principais fontes de contaminação.

Frequentemente ela é chamada de forma equivocada, como “doença do gato”.

O gato apresenta comportamentos típicos de arranhar cascas de árvores e enterrar suas fezes o que predispõe a contaminação através do contato com plantas e terra. Gatos também tendem a defender seu território e se envolvem em brigas com outros animais.

Se o gato for infectado, pode transmitir a esporotricose para outros gatos e animais (nós inclusive) através do contato direto com as feridas, arranhões e/ou mordeduras.

A micose se manifesta inicialmente através de lesões na pele, geralmente na cabeça, mãos, patas e caudas, mas também pode acometer órgãos internos.

As lesões podem ser confundidas com feridas causadas por brigas entre gatos, mas elas costumam evoluir para úlceras com pus e crosta. Os gatos também podem desenvolver lesões no focinho, chamadas de “nariz de palhaço” e apresentar dificuldade respiratória.

nariz de palhaço esporotricose

“nariz de palhaço”

esporotricose

lesão na cabeça – esporotricose

 

É muito importante castrar os gatos para evitar que eles saiam de casa, briguem e não se infectem com plantas contaminadas com o fungo.

Para saber mais sobre castração, clique aqui.

O diagnóstico deve ser realizado por exame direto, cultura ou exame histopatológico.

A esporotricose tem cura e quanto mais rápido for iniciado o tratamento, mais fácil é a cura.

Em caso de suspeita da doença, leve seu animal para atendimento veterinário.

Alguns fatores podem dificultar a cura da esporotricose felina, como a necessidade de um tratamento prolongado, a dificuldade de administrar medicamentos por via oral em gatos e o custo do remédio. Para saber como medicar seu gato, clique aqui.

Se o tratamento for realizado de forma adequada, diminuirá o número de casos resultantes em óbito, eutanásia ou abandono e consequentemente reduzirá a transmissão da doença para outros animais e seres humanos.

Na Fiocruz,  o Instituto nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI) é a unidade que pesquisa a esporotricose. Para mais informações, clique aqui.

O Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman também pode contribuir com informações. O IJV fica na Avenida Bartolomeu Gusmão 1.120, em São Cristóvão, Rio de Janeiro. O contato é: ijv@rio.rj.gov.br

Dia 15/03/17, participei do #EncontrocomFatimaBernardes e o tema era sobre Toxoplasmose e Esporotricose.

Clique aqui para assistir a primeira parte e aqui para a continuação.

 

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato