logo irsea

Mês passado tive a fantástica oportunidade de fazer um estágio no IRSEA, no sul da França.

Este Instituto privado se dedica ao estudo do comportamento dos animais e do ser humano e suas interações, especialmente no que diz respeito à comunicação química.

O principal objetivo é estudar e compreender os mecanismos responsáveis pela comunicação, mas também desenvolver métodos que permitam uma melhora no bem estar dos animais.

Semioquímica é o estudo da comunicação química, o modo de transmissão de informações mais antigo e mais amplamente difundido entre os seres vivos.

Etologia é o estudo do comportamento natural dos animais e a etologia aplicada é o tratamento comportamental, o atendimento e suas recomendações para solucionar os problemas.

O IRSEA foi criado a partir de uma ideia: interagir com o mundo dos seres vivos utilizando seus códigos, em vez de tentar usá-los para satisfazer as exigências humanas.

Esta ideia nasceu do desafio que a clínica veterinária comportamental experimenta todos os dias, em todo os lugares do mundo: melhorar e solucionar dificuldade das famílias com animais de estimação.

Durante muito tempo, o homem respondeu a essas situações conflitantes buscando forçar o animal a modificar seu comportamento, por meio de cirurgias, drogas psicotrópicas e métodos de treinamento coercitivos, que muitas vezes não resolviam o problema e levavam ao abandono ou à eutanásia dos cães e gatos.

A etotologia e a semioquímica surigiram como opções promissoras na compreensão dos animais e de possíveis meios para tratá-los.

Compreender o processo adaptativo que leva o animal a se comportar de uma maneira eficaz para lidar com o ambiente que o homem lhe oferece (nossas casas, nossa rotina) é uma estratégia possível e muito interessante.

 A partir daí, a perspectiva mudou, o animal que se comporta mal não está agindo contra o desejo do homem, mas respondendo a um dado contexto com as estratégias que sua espécie permite e de acordo com suas possibilidades individuais.

Complicado? Eu exemplifico:

Um cachorro que está roendo os móveis de uma casa, não está querendo chatear ou se vingar de sua família humana que o deixou sozinho. Ele encontrou uma maneira de lidar com o tédio e a solidão através de um comportamento natural (e necessário) dos cães: roer! Como ele não tinha (ou não se interessava) um brinquedo ou um osso disponível, encontrou a quina do móvel como alternativa.

A possibilidade individual se aplica quando pensamos nas experiências que aquele animal viveu. Por exemplo, se ele tem muito medo de barulhos estranhos (provavelmente porque não foi apresentado a eles quando filhotinho) e do lado de fora desta casa está acontecendo uma obra muito barulhenta, ele pode sentir muito medo e apresentar sintomas de pânico, como evacuar, babar, tremer e até tentar fugir raspando a porta de casa.

No IRSEA, existem diversos departamentos de pesquisa com engenheiros, químicos, biólogos, estatísticos e veterinários.

As pesquisas diretamente envolvidas com cães e gatos (cavalos, porcos, coelhos, e bovinos também) trabalham na identificação dos sinais químicos emitidos naturalmente pelos animais e na concepção de seus análogos, isto é, criar compostos químicos capazes de reproduzir os efeitos naturais.

Estes análogos se transformam em produtos industrializados e disponíveis no mercado para serem utilizados como novas formas de se comunicar com outras espécies.

Já temos alguns destes produtos disponíveis no Brasil.

Além dos estudos semioquímicos, também são realizadas pesquisas no campo celular, com o objetivo de conhecer melhor e tratar diversas patologias do trato olfativo, osteoarticulares, referentes ao envelhecimento cerebral e também no controle de parasitos.

Vocês sabiam que o peixe salmão pode ter uma espécie de piolho?

Que as aves podem ter sarna?

Estes estudos visam encontrar alternativas de tratamento mais eficazes e seguras.

O Instituto também trabalha com espécies selvagens em vias de extinção, para melhorar suas condições de vida em zoológicos introduzindo enriquecimentos sensoriais (odores e sons) e estímulos mentais.

Eles também oferecem cursos, estágios e muitos dos seus pesquisadores estão fazendo mestrado e doutorado por lá.

A clínica de atendimento comportamental possui uma estrutura preparada para tratar de cães, gatos, animais silvetsres e cavalos em ambientes separados e além de realizar consultas, oferece programas de prevenção e educação de filhotes.

Foi uma experiência incrível! Muito aprendizado e contato com pessoas muito generosas e dispostas a ajudar os animais a serem mais felizes!

eu no irsea

Leia mais →
mira logo

Semana passada eu tive a fantástica oportunidade de conhecer esta fundação na França.

Ela é primeira escola de cães-guia da Europa especificamente educados para trabalharem com crianças cegas, com dificuldades motoras e transtornos do espectro autista, a partir de 12 anos.

O objetivo é ajudar através da parceria com cães criados e treinados para as necessidades individuais de cada criança, sem nenhum custo para suas famílias.

Os cães-guia favorecem a autonomia, a liberdade, a segurança e facilitam a inserção social.

A fundação se localiza na Isle-sur -la-Sorgue e recebe as crianças que precisam deste serviço tão especial no seu alojamento para também serem preparadas, por períodos de aproximadamente um mês.

Os cães são criteriosamente selecionados para apresentar as melhores condições físicas e comportamentais.

As raças escolhidas foram o Labrador e o Bernese Mountain Dog e o cruzamento delas duas, resultando num cão excelente e lindo demais, o Labernese!

Leeloo

   Leeloo

Filhote com 4 meses

Filhote com 4 meses

Por ano, nascem aproximadamente 300 filhotes na Fundação, aonde eles recebem toda assistência e cuidados veterinários.

Os filhotes ficam com sua mãe e irmãos até aproximadamente 9 semanas e em seguida são encaminhados para uma família adotiva. A missão desta família é socializar o filhote e não treiná-lo para ser um cão guia ou de assistência.

Socializar um filhote significa educá-lo para um bom comportamento em casa e garantir que ele seja exposto a diferentes e variados ambientes regularmente.

Com a idade de aproximadamente  dois anos, os cães voltam à Fundação MIRA para serem preparados e treinados.

Nem todos os cães são qualificados para se tornarem guias ou cães de assitência, aproximadamente 40% são desqualificados.

Um cão considerado inadequado para trabalho por ser medroso, por exemplo, pode ser maravilhoso para viver com uma familia, como companhia.

O valor estimado de cada filhote, até um ano de idade é de aproximadamente 4500 dólares! Isto inclui os custos da criação, veterinários, alimentação, saúde e manutenção. A Fundação MIRA – Frédéric Gaillanne assume todo o custo e se o cão for desqualificado, será combinado um valor, com a família adotiva para ela adotar o animal, definitivamente.

O treinamento específico do cão-guia dura aproximadamente um ano e quando ele estiver pronto, conhecerá a pessoa que irá viver com ele e após o período de adaptação dos dois, ele irá viver com sua nova família, transformando a vida dela para melhor e para sempre.

Leia mais →
encontro galera 280218

Conversamos sobre adoção de animais com necessidades especiais

Clique e Assista aqui

Minhas particpações estão nos blocos:

Bloco 6 – como os animais lidam com as necessidades especiais

Bloco 7 – perfil de familias adotantes, a dor da perda de um animal querido

Bloco 8 – Livros “Latido de Sabedoria” e “Miados de Sabedoria”, a venda nas lojas Imaginarium, em todo Brasil e online (clique aqui)

Leia mais →
febre amarela macaco

A febre amarela é uma doença viral aguda, transmitida ao homem e a primatas não humanos (macacos), através da picada de mosquitos infectados.

Nossos cachorros e gatos não correm o risco de contrair a doença, nem existe vacinação indicada para estas espécies.

A transmissão geralmente ocorre em animais selvagens, mas ocasionalmente atinge humanos que entram nas regiões florestais. Recentemente, as preocupações com o ressurgimento da doença em área urbana cresceram devido à disseminação do Aedes aegypti, que tem demonstrado capacidade de transmitir o vírus da febre amarela. O vírus da febre amarela silvestre é transmitido por mosquitos (gêneros Haemagogus e Sabethes).

A principal forma de prevenção da Febre Amarela é por meio da vacinação.

Outras medidas de proteção também podem ser adotadas, principalmente para quem tem alguma contraindicação para receber a vacina como: usar repelente de insetos, proteger a maior extensão possível de pele através do uso de calça comprida, blusas de mangas compridas, meias e sapatos fechados, evitar na medida do possível o deslocamento para áreas rurais e, principalmente, adentrar em matas, seja a trabalho ou turismo, passar o maior tempo possível em ambientes refrigerados, uso de mosquiteiros e telas nas janelas

O vírus da febre amarela circula em países da América do Sul e da África.

Nas últimas décadas, a Febre Amarela tem sido registrada além dos limites da área considerada endêmica (região amazônica), como no Espirito Santo, Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro.

A ocorrência de febre amarela em macacos que habitam áreas densamente urbanizadas se deve aos altos índices de infestação dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

Não existe um tratamento específico para a doença, ele é apenas sintomático. Os pacientes que necessitarem de hospitalização devem ter uma cuidadosa assistência, permanecendo em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado.

Não matem os macacos! Eles não são responsáveis pela transmissão da doença! Muito pelo contrário: eles são aliados do combate à Febre Amarela, servindo como “anjos da guarda”! Eles são um alerta, servem como guia para elaboração de ações e prevenção.

Além disso, matar animais é considerado crime ambiental pelo Art. 29 da Lei n° 9.605/98. “Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida”, pode gerar pena de seis meses a um ano de detenção, mais multa.

No bioma da Mata Atlântica, onde incide a doença, encontram-se primatas ameaçados de extinção, entre eles, o Bugio, o Macaco-prego-de-crista, além do Muriqui do sul e do norte.

Caso você encontre macacos mortos ou doentes, deve informar o mais rapidamente o Serviço de Saúde do município ou do estado onde vive ou pelo número de telefone 136.  O serviço de saúde avalia se ainda há a possibilidade de coleta de amostra para laboratório, se além desse animal que foi encontrado existem outros, se as populações de primatas da região ainda são visíveis e estão integrados, se foi uma morte isolada, ou se de fato é uma ocorrência que atingiu o maior número de primatas.

Além disso, é possível denunciar a matança ou maus tratos de macacos pela Linha verde do Ibama (0800 61 8080). Na denúncia, podem ser encaminhadas fotos e vídeos que auxiliem na identificação do crime e de quem o cometeu, através deste e-mail – clique aqui

Leia mais →
blush 2018

Eu e Isabella Saes estamos de volta nas ondas do rádio!

Toda quarta-feira, no programa “Hora do Blush” das 17h as 19h, vanos conversar sobre cães e gatos!

O programa também é transmitido pela internet, para ouvir basta clicar aqui.

Durante os intervalos, responderei perguntas através da “live” no facebook  e instagram

Espero vocês!

Leia mais →
buldogue gelo

Se você está sentindo muito calor, imagine seu cão ?

Quando a temperatura aumenta, precisamos tomar alguns cuidados com os cães.

Vocês já perceberam que  eles não suam como nós?

Eles não conseguem perder calor através do suor, porque tem o corpo coberto por pelos. Eles precisam arfar e trocar o ar quente e umido pelo ar mais frio que é inspirado. Por isso ficam tão ofegantes.

Toda secreção que pinga do focinho e língua deles não é suor! Sua função é somete proteger e hidratar as mucosas.

Quando a temperatura aumenta, os passeios devem ser em horários mais frescos e sempre pela sombra. Nós usamos sapatos para sair na rua, mas os cães não! Se o chão estiver muito quente, as “almofadinhas” das patas podem queimar. Um bom teste é apoiar as palmas das mãos no chão – se estiver queimando, não leve seu cão para passear!

Se a temperatura estiver alta e o animal se exercitando, pode ocorrer um quadro grave chamado intermação. Se o seu cão se recusar a andar, estiver cansado e muito ofegante, faça uma pausa – na sombra – ofereça água e molhe a cabeça, pescoço, peito e virilhas dele com água fria. Só retome a caminhada se ele estiver se recuperado.

Alguns cães não conseguem perceber a gravidade do quadro e continuam seguindo seu humano adorado…

O quadro de intermação pode agravar muito e até levar a morte.

Inicialmente o animal fica extremamente ofegante, com a língua e gengivas pálidas e baba bastante. Se a situação agravar, as mucosas podem até ficar cinza-azuladas indicando uma situação realmente de risco. O corpo do cão fica mole e incoordenado e se a temperatura corporal exceder os 41ºC, podem ocorrer alterações na coagulação sanguínea levando a danos no cérebro, rins, coração e pulmões. Infelizmente muitos animais apresentam convulsões, entram em coma e não resistem.

A obesidade também é um fator agravante, pois ela afeta a termoregulação, dificultando a perda de calor do corpo.

Algumas raças também apresentam mais dificuldade em perder calor e atingir a homeotermia (equilíbrio da temperatura).

As extremamente peludas como husky siberiano, chow chow e akita têm a pelagem preparada para temperaturas muito frias.

Os animais de “cara achatada” (braquicefálicos) não conseguem arfar de forma eficiente para resfriar o corpo. São os buldogue franceses, pugs, buldogues e também os gatos persas.

Mantenha sempre água fresca à vontade e não se preocupe se ocorrer diminuição do apetite nos dias mais quentes. É normal que os animais prefiram comer a noite.

Teoricamente os pelos servem como isolante térmico, tanto para o frio como para o calor. Pensando assim, não seria interessante tosar os animais no verão, mas é muito comum após a tosa de um bicho peludo notar que ele parece se sentir mais leve. Acredito que as famílias devem fazer um teste para avaliar se o animal demonstrou estar mais ou menos confortável após a tosa.

A pelagem também serve para proteger a pele de queimaduras solares e picadas de insetos.

Você já deve ter percebido que os animais perdem bastante pelo assim que começa a esquentar. É como se eles se preparassem para usar um casaco mais leve durante o verão.

Mas quando o calor é intenso e o cão é muito peludo, a tosa pode até ajudar.

Mas é fundamental tomar cuidado para a temperatura no momento da tosa  não ficar insuportável para o cão e para o tosador. Se precisar usar mordaça, atenção! Ela pode limitar a abertura da boca dificultando a perda de calor.  Existem modelos que impedem a mordedura, mas  o cachorro abre a boca completamente (tipo cestinha). Para saber mais sobre tosa, clique aqui.

  • Nunca deixe seu animal sozinho no carro. A temperatura pode atingir níveis altíssimos e ele pode não suportar.
  • Os cães que gostam de água podem se molhar sempre que possível, mas evite usar sabão ou shampoo mais que uma vez por semana. Também é importante secar a pelagem!
  • O verão é a estação das pulgas – previna a infestação regularmente. Saiba mais clicando aqui.
  • Cuidado com piscinas. Muitos cães pulam dentro, mas não sabem sair. Eles são capazes de nadar, mas se estiverem exaustos, podem se afogar. Cubra ou cerque a piscina para evitar acidentes. Se você deixa seu cão entrar na piscina, instale uma escada que permita a saída dele, quando quiser. Saiba mais clicando aqui
  • Se o seu cão tem a pelagem curta, borrife água fria nele durante o passeio! Se ele gostar, é claro.

Os gatos se expõem menos a estes riscos porque vivem dentro de casa ou quando saem, escolhem sempre andar pela sombra!

Eles também costumam amar o calor! São raras as exceções. Eles chegam a deitar no sol, sobre aparelhos que esquentam (monitor, TV etc) mesmo neste calorão.

 

Leia mais →
encontro 211217

No dia 21/12/2017, conversamos sobre animais para adoção, medo de fogos e conhecemos a linda história do cão Artur.

Clique aqui para assistir o bloco sobre adoção

Clique aqui para assistir a parte dos fogos

Clique aqui para assistir a matéria sobre um cão que trabalha num crematório para ajudar a confortar as famílias enlutadas

Leia mais →
fonte gato laranja

Quem tem gato já deve ter ouvido falar das doenças renais e da necessidade de garantir que eles bebam o máximo de líquido possível, certo?

É verdade, os gatos tendem a sofrer de problemas no sistema urinário e de fato devemos estimular que eles bebam muito líquido.

Um gato deve consumir idealmente entre 30 a 60 ml de água por kilo de peso, por dia.

Não é costume medir a quantidade que eles bebem e existe uma variação grande de acordo com a alimentação.

Mas porque os gatos bebem menos água do que deveriam?

Na natureza, os gatos fazem pequenas refeições, várias vezes ao dia.

São as presas que eles caçam –  insetos, pássaros, roedores e outros pequenos animais.

Estas presas têm o corpo constituído pricipalmente de água! Assim como nós humanos e os gatos.

Quando os gatos caçavam, grande parte da necessidade de ingerir líquidos era consumida na alimentação.

Provavelmente por este motivo, eles não têm o hábito de beber muita água.

Esta situação se agrava quando os gatos comem somente ração seca.

Por estes motivos nós precisamos oferecer e estimular que os gatos bebam o máximo possível.

Temos algumas estratégias para atingir nosso objetivo:

  • oferecer alimento úmido, todos os dias
  • gatos preferem água limpa, fresca e de prefrência, corrente! Considere oferecer uma fonte para seu(s) gato(s)
  • os potes transparentes permitem que eles tenham a certeza que a água está limpa
  • os potes de boca larga permitem que eles bebam água sem encostar os bigodes nas bordas
  • os potes cheios até a boca agradam bastante!
  • gatos podem ter medo ou não gostar de frequentar alguns cômodos da casa (perto de um outro animal ou da máquina de lavar, por ex.) – posicione o bebedouro em um local que ele se sinta seguro
  • evite posicionar o pote de água ao lado do pote de comida ou da caixa sanitária – o cheiro pode influenciar a avaliação de que a água está limpa
  • considere espalhar vários potes pela casa, especialmente se você tem mais de um gato ou se algum dos seus animais apresenta alguma doença urinária
  • ofereça gelo, dentro e fora do pote – alguns gatos adoram e até brincam com ele

Se o seu gato só come ração seca, ele precisa beber mais água.

Se ele come também alimentos úmidos, ele provavelmente vai beber menos.

Não é difícil pesar o gato e depois medir quantos mililitros (ml) têm no pote dele.

Basta anotar a hora que o pote foi enchido e medir quanto tinha no pote 12 ou 24 horas depois.

Também é importante observar se seu gato está urinando todos os dias e se esta urina tem o aspecto normal (coloração, cheiro).

Qualquer alteração deve ser checada.

Existem vários problemas urinários, hormonais e metabólicos que podem causar alterações na frequência e características da urina.

Nestes casos é fundamental que o gato receba atendimento veterinário.

A cultura popular e os desenhos animados mantém a crença que os gatos devem beber leite.

Mas muitos gatos apresentam fezes líquidas quando tomam leite.

Isto porque o açucar do leite da vaca, a lactose, não é bem digerido por gatos adultos (assim como muitos seres humanos).

Se o seu gato ama leite e quase não bebe água, podemos tentar diluir este leite ao máximo.

Se os eu gato gosta de beber água do vaso sanitário, mantenha a tampa fechada!

O ideal é oferecer água fresca, limpa e de preferência corrente.

Mas evite oferecer água na torneira – o planeta agradece e evitamos condicionar o gato a nos “exigir” abrir a torneira sempre que nos aproximamos da pia.

Existem muitos tipos de fontes no mercado – da mais cara a mais barata – e também muitos tutoriais ensinando a fazer uma fonte, usando uma simples bomba de aquario e pote de sorvete de 2 litros.

 

 

 

fonte 1fontes 2fontesfonte 3

Leia mais →
queda gato

Gatos têm sete vidas?

Claro que não!

Quem dera…

Mas de onde veio esta crença?

A agilidade, rapidez e capacidade de se livrar de encrencas faz com que os gatos pareçam ser imortais ou pelo menos muito resistentes.

Por que o número sete?

Porque 7 é um número de sorte no Brasil.  Em alguns países, o 9 é o número considerado de sorte e nestes locais, a lenda diz que os gatos têm nove vidas.

Outra teoria diz que a rainha egípcia com cabeça de gato (Bastet) tinha 9 vidas e concedeu este dom aos gatos.

Os ossos, músculos e até as orelhas do gato são perfeitamente desenhados para que ele se aprume durante uma queda e (quase) sempre caia de pé.

Mas esta habilidade não garante que eles não se machuquem!

Já atendi muitos gatos que caíram da janela, ficaram presos em motores de carros, foram atropelados, e uma infinidade de acidentes…eles sofrem, ficam realmente machucados.

Como a maioria dos animais, eles nem sempre demonstram sua dor e sofrimento. Ficam quietos, se entocam, não choram de dor.

Gatos também são muito resilientes.

Por terem todas estas características, muitas vezes são negligenciados e recebem menos atenção do que deveriam.

Os gatos não são suicidas, eles são curiosos e acabam se acidentando.

Às vezes é o sono que fica mais profundo e o gato se desequilibra no parapeito da janela. Outra situação comum é aquela esticadinha para alcançar uma borboleta e…cataploft!

Gatos precisam de cuidados e proteção.

Esta responsabilidade é nossa, dos humanos.

  • é fundamental proteger as janelas com telas, ou mantê-las fechadas
  • a castração é um ato de amor e cuidado
  • atendimento veterinário, pelo menos 1 vez ao ano
  • alimentação de qualidade
  • controle de pulgas e outros parasitos
  • brincadeiras, escovação
  • amor e carinho…esta é a parte mais facil!

Gatos não têm muitas vidas, mas podem ter uma vida longa (quase 20 anos!) e feliz!

Para saber mais sobre gatos, clique nos links:

Dor em cães e gatos

Gatos e janelas

Castração

Pulgas

 

Leia mais →
encontro 271117

Dia 27 de Outubro de 2017, conversamos no Programa sobre as características dos vira-latas, castração e lar temporário.

Fomos premiados com a linda poesia de Braulio Bessa, sobre os vira-latas.

Veja os links:

Lar temporário e vira-latas

Castração

Cordel do Braulio Bessa – poesia com rapadura

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato