cao medroso

Alguns animais têm muito medo de barulhos altos como fogos, trovão e já publiquei aqui um texto sobre esta questão (para saber mais, clique aqui).

Mas, e quando o cachorro tem medo de outras situações como passear na rua ou andar de carro, por exemplo?

Como fazer?

O cão pode expressar o medo de diferentes maneiras: tentativas de fuga, sinais corporais e faciais, respostas fisiológicas como aumento das frequências cardíaca e respiratória, tremores musculares, urinar, defecar e esvaziar o saco anal (eles liberam uma secreção fétida oriunda da glândula ao lado do ânus). Alguns animais podem até “virar estátua – congelar” de tanto medo.

Sempre procuramos entender o motivo, a origem do medo. Mas nem sempre conseguimos descobrir…

Os filhotes precisam ser socializados e expostos a diferentes estímulos (barulhos, pessoas, animais) nas primeiras semanas de vida (3 semanas até os 4 meses, aproximadamente) para não demonstrarem medos exagerados mais tarde.

A restrição aos passeios, (antes de completar o esquema de vacinação aproximadamente aos 4 meses – saiba mais, clicando aqui), atrapalha bastante a socialização.  Por este motivo eu recomendo que os filhotes  recebam muitas visitas, de cães saudáveis, homens, mulheres, crianças e outros animais, e se possível até passearem na rua, mas sempre tomando cuidado para o animal não pisar no chão (leve-o no colo, carrinho etc.).

Os animais que experimentaram alguma situação desagradável também podem fazer uma associação e ficar medrosos, como um trauma.

Exemplo: na primeira viagem de carro o cachorro fica enjoado e associa esta sensação desagradável ao carro.

Outro exemplo: ficar sozinho em casa durante uma tempestade.

Se o seu cachorro é medroso, devemos ajudá-lo.

Não ajuda em nada, rotular este animal como bobo, estúpido ou  fraco.

O medo tem tratamento e este animal precisa da nossa ajuda.

Alguns casos podem precisar de medicação, mas a grande maioria  pode ser resolvido com a dessensibilização.

A dessensibilização é a técnica de expor o animal aquilo que ele tem medo, de maneira gradual.

Se o animal tem medo de andar de carro, devemos acostumá-lo a entrar no carro parado e brincar e/ou alimentá-lo lá dentro. Enquanto ele estiver relaxado, elogie bastante.

Se ele tensionar, ignore-o. Aumente o desafio aos poucos. Se ele estiver bem dentro do carro parado, ligue o motor. Em seguida ande pequenos trechos.

Se o cachorro só anda de carro para ir a programas que ele não gosta, como ir ao veterinário tomar vacinas, por exemplo, experimente levá-lo para um parque!

O maior agravante do medo dos cães é a maneira que nós humanos lidamos com esta situação.

Para nós, é importante confortar e acalmar uma pessoa com medo.

Mas os cães entendem esta nossa reação como um reforço, é como se estivéssemos dizendo: Muito bem! Assim que eu gosto! Sinta bastante medo!

Pode parecer cruel, mas devemos ignorá-los quando sentem medo.

Se ele precisar se esconder atrás de você ou de um móvel ou se quiser acessar um cantinho escondido da casa, podemos e devemos ajudá-lo. Oferecer um ambiente seguro e tranquilo é diferente de fazer carinho e pegar no colo.

Também é importante demonstrar segurança. Comporte-se de maneira confiante: uma pessoa com medo pode levar o animal a sentir medo também!

Se o seu cão tem medo de passear na rua, ofereça alguma sensação prazerosa (os petiscos costumam funcionar bem) ao colocar a coleira e continue oferecendo a cada “2 passos” do seu cão em direção à rua.

Elogie-o bastante e ignore os sinais de medo. Se ele recuar, volte um pouco e comece novamente.

Se depois de tentar estas técnicas, o seu cão ainda sentir muito medo, procure ajuda veterinária.

Alguns animais podem precisar de ajuda medicamentosa, mas nunca use nenhum remédio sem orientação profissional.

Os calmantes podem causar efeito reverso (excitação) em alguns animais e produzir efeitos colaterais graves.

Algumas terapias podem demorar para causar o efeito desejado e o tratamento precisa ser iniciado com meses de antecedência.

É fundamental fazer exames para avaliar a saúde do animal antes de usar medicações.

 

Leia mais →
n ouco n vejo n falo

Quando pensamos em visão, olfato, audição, tato e paladar, temos nossas referências humanas, claro. Nós somos humanos.

Mas temos muito a refletir sobre como os cães e gatos percebem o mundo, será que eles vivem e sentem como nós ?

Muita gente acredita que sim, mas esta confusão pode gerar muitos problemas, afinal são muitas as diferenças.

Inicialmente devemos pensar sobre como eles nos consideram, nos enxergam, nos cheiram, nos sentem.

Para nós, eles são animais de estimação para nos fazer companhia, para dividirmos nossas vidas, nosso amor e afeto.

Antigamente era muito comum os animas terem uma vida separada da família, viviam no quintal, do lado de fora da casa para exercer alguma função como a de guarda, por exemplo.

Atualmente é raro convivermos com animais que tem uma função, um trabalho e que recebem abrigo, carinho e alimento como “pagamento”.

Geralmente estes animais exercem estas funções em instituições, como Polícia, Bombeiros ou trabalham como guias de cego ou ajudantes de pessoas com necessidades especiais.

Para nós humanos, eles fazem parte das nossas famílias!

E nós para eles, o que somos?

Família? Grupo? Matilha? Protetores?

É difícil definir, por mais que se estude o comportamento dos cães e gatos.

Mas nós sabemos as diferenças da percepção dos sentidos. E entender as diferenças, já nos ajuda muito:

VISÃO

Os cães e gatos nascem cegos, seus olhos só começam a abrir por volta da segunda semana de vida e eles começam a enxergar o mundo aos poucos.

Eles não são capazes de enxergar todas as cores como nós, mas também não é em preto e branco como muitos acreditam.

grafico cores Gato: 450561

Cão: 429555

Homem: 400780

Tartaruga : 450620

Passariformes: 370570 Rato: 510

No gráfico acima podemos ver que enquanto nós humanos enxergamos quase toda extensão (do roxo ao preto) os cães e gatos só são capazes de distinguir as cores no intervalo entre o azul, o verde e o amarelo.

Mas em compensação, os gatos (por exemplo) possuem uma capacidade muito maior que a nossa para perceber os movimentos. Por isso são capazes de pegar uma borboleta no ar com muita facilidade. Esta diferença se deve ao maior número de bastonetes (células responsáveis pela percepção de movimento) que eles possuem.

A posição dos olhos, mas lateralizados na cabeça, também confere um maior ângulo de visão que o nosso e isto significa que eles possuem uma melhor visão lateral que a nossa.

Outra consideração importante é em relação a perda da visão. Para nós, este é o sentido mais importante. Quando nos deparamos com um animal de estimação que está ficando cego, nos imaginamos no lugar dele e é comum uma sensação de dor e desespero muito grande. Mas não é bem assim. Para eles, mais importante que a visão é o olfato e também a audição.

Nos idosos, a diminuição da visão é gradual e como a capacidade de adaptação dos animais é muito grande eles são capazes de conviver bem com esta dificuldade. Podemos ajudar evitando trocar móveis de lugar e marcando alguns locais com um perfume suave.

Para saber mais sobre perda de visão em cães e gatos, clique aqui.

Saiba mais sobre cuidados com cães e gatos idosos, clicando aqui.

OLFATO

Os cães e gatos nascem com a capacidade de encontrar sua mãe para se alimentarem e se aquecerem, através do olfato e de receptores de calor.

Mas eles ainda não conhecem nem reconhecem todos os cheiros.

Os cães possuem o melhor olfato entre as espécies domésticas. Eles possuem 40 vezes mais células receptoras que nós, humanos.

Os odores exercem função de comunicação para os animais. Por isso eles cheiram tanto o chão, fezes, urina e o bumbum de outros animais. Eles são capazes de saber se passou por ali um macho ou fêmea, se estava no cio, se era um animal adulto ou filhote…e até dizer: oi, tudo bem, eu te reconheço!

Esta é a principal razão para não usarmos nenhum tipo de perfume nos nossos animais, atrapalhamos muito a percepção olfativa deles.

Também é fundamental permitir que os animais inspecionem e cheirem o chão e as superfícies que interessarem a eles. Por mais que pareça estranho e até nojento para nossa avaliação humana, para eles é uma forma de “ler” o mundo. Impedir que um animal cheire é como atrapalhar alguém que está tentando ler um jornal…

Deixar uma camisa usada pelo dono para o animal se sentir mais seguro quando ele fica sozinho em casa ou vai passar alguns dias numa hospedagem ou numa internação, pode ajudar muito.

AUDIÇÃO

Os filhotes nascem com os ouvidos fechados e completamente surdos.

Entre o 5º e 8º dia os ouvidos começam a abrir e a capacidade auditiva vai aumentando aos poucos.

Os cães e gatos escutam numa frequência mais extensa que a nossa. Isto significa que não somos capazes de ouvir alguns sons que eles percebem. Às vezes eles reagem a algum estímulo sonoro que nós nem percebemos e devemos tomar cuidado para não achar que eles estão malucos: ” meu animal é doido, late (ou fica olhando) para o nada!”

Pode ser que ele tenha percebido algum sinal que os ouvidos humanos não são capazes de ouvir…

Enquanto os gatos são capazes de ouvir frequências entre 60Hz e 65 000Hz e os cães entre 15Hz e 50 000Hz, nós humanos percebemos frequências entre 20 Hz e 20 000hz

Os filhotes de gatos emitem ultrasons para atrair a atenção das mães e nós não somos capazes de ouvir!

Os animais que utilizam sons para se orientar no espaço, percebem uma frequênica ainda maior: morcegos ouvem a faixa 1 000Hz – 120 000Hz e os golfinhos, 70 Hz – 240 000Hz.

Alguns animais reagem “cantando” ou uivando a algumas músicas,  sons e até notas musicais específicas.

Evite soltar fogos, estalinhos, usar cornetas ou expor seu animal a estímulos sonoros desagradáveis. Eles possuem  ouvidos muito sensíveis.

Lembre que mesmo ouvindo ele pode não entender o significado do que você está falando. Os animais aprendem um vasto vocabulário, se alguém ensinar e repetir constantemente.

Mas não adianta se lamentar ou reclamar com seu animal num tom doce e esperar que ele compreenda…ele vai achar que está recebendo um elogio.

Também devemos evitar falar e usar comandos de adestramento de forma agressiva.

Se o animal demonstra sinais de medo, o aprendizado pode ser comprometido e atrapalha a relação de confiança conosco.

Todo elogio deve ser doce e suave.

Facilita a compreensão dos nossos animais.

TATO

Os gatos possuem uma percepção tátil muito desenvolvida.

Isto explica algumas atitudes e nos ajuda a tratar alguns desvios comportamentais.

Se o seu gato não está usando a bandeja sanitária, pode ser que ele tenha aversão a encostar, sentir e tocar na textura da areia utilizada, experimente trocar a marca ou o tipo. Se ele está usando um vaso de plantas para defecar ou urinar, espete palitinhos de dente na terra. Não vai machucá-lo, mas ele deve desistir de usar este local.

Evite colocar roupas ou acessórios nos gatos, eles podem “virar estátuas” ou se desesperarem para se livrar do “peso”.

PALADAR

Os cães e gatos possuem menor número de papilas gustativas (responsáveis pela percepção do sabor) que os humanos.

É claro que eles também tem preferências, mas são diferentes das nossas.

Quem nunca viu um animal adorar um cheiro que para nós é extremamente desagradável?

Como o olfato dos cães e gatos é super potente, eles se interessam por cheiros interessantes, mas isto não significa que eles também sentem os sabores com a mesma intensidade.

Os gatos detectam melhor os sabores salgados que os doces e também preferem alimentos aquecidos.

Outra consideração importante são os hábitos alimentares. Antigamente, quando eles precisavam caçar para se alimentar, comiam carne crua, roíam ossos e as vezes restos (muitas vezes estragados).

É interessante apresentar diferentes alimentos (especialmente frutas e legumes) para os cães e gatos desde filhotes para desenvolver o paladar e acostumá-los a sabores variados. Esta medida pode ser muito útil no caso do animal precisar ingerir uma dieta terapêutica diferente. OS gatos devem se habituar a comer alimeto úmido desde a infância! SÃO MUITOS COMUNS OS CASOS DE INSUFICIÊNCIA RENAL EM GATOS IDOSOS E A INGESTA LÍQUIDA É FUNDAMENTAL!

Claro que oferecemos o melhor que podemos para nossos animais, mas não devemos estimular o paladar exigente. Se o animal só recebe ração, a tendência é ele comer bem para satisfazer sua fome. Se a cada dia que ele não quiser comer ração nós oferecermos um alimento diferente, podemos criar um animal muito exigente e ainda causar problemas digestivos (vômitos e diarreia).

 

Leia mais →

crianças e pipoca

Quase toda criança gosta de bicho e elas são as primeiras a insistirem a ter um animal em casa.

As promessas são muitas, mas será que elas vão realmente ajudar a cuidar, é possível contar com elas?

As crianças podem ajudar muito no dia dia dos animais de estimação, mas os adultos precisam saber que a responsabilidade é deles.

Na hora de levar ao veterinário, pagar as despesas, tomar uma decisão difícil e planejar o que fazer na hora de uma viagem, são os adultos que se responsabilizam.

Os animais não são descartáveis! Uma vez na nossa família, a responsabilidade é nossa.

Vale pensar, refletir e negociar bastante.

Se a decisão está tomada e hora de planejar:

se a paixão da família são os cães, que raça escolher? Vocês adoram cachorros, mas ninguém tem tempo para nada, será que não é melhor ter um gato?

Existem raças mais calmas (golden retriever, west highland white terrier, setter, labrador, poodle, bichon frisé, airedale, shih tzu, boxer, collie, pug, spitz alemão, whipet), mas não temos nenhuma garantia que animal escolhido será tolerante.

Precisamos ensinar as crianças que os animais não são brinquedos e não estão a disposição delas o tempo todo.

É fundamental respeitar os limites dos animais e deixá-los dormir, descansar e evitar que sejam puxados e apertados o tempo todo.

Existem indivíduos de diferentes temperamentos, independente da raça. É possível ensinar ao animal a ser mais paciente e associar a presença da criança a sensações prazerosas. Quanto mais cedo ele tiver contato com crianças, melhor! Pergunte a pessoa que vai te doar ou vender o animal se ele esta habituado ao contato com diferentes pessoas, barulhos e situações.

Os filhotes devem ser sociabilizados a partir de 3 semanas de vida! Faz toda diferença na forma com que eles vão lidar com os desafios da vida.

Eu sou fã dos vira-latas (tanto cães como gatos) e acredito que a escolha do filhote é até mais importante que a raça. Observe a ninhada e prefira o animal mais calmo e tranquilo,  não  muito agitado, mas que esteja saudável, claro.

A convivência com os animais de estimação é muito benéfica para as crianças. Elas aprendem muito a respeito da vida e do outro:

  • Responsabilidade – dentro das possibilidades de cada criança e da idade, ela podem ser responsáveis por alimentar o animal, escovar os pelos, lembrar de dar o remédio, entre outras atividades. Assim elas aprendem a cuidar da saúde de outro ser e de si próprios
  • Comunicação – como os animais se comunicam através de sinais corporais, elas aprendem a perceber se o cão ou o gato está triste, feliz, animado, agressivo e também entendem que os animais são capazes de identificar o humor delas, de longe. Não precisa nem conversar
  • Empatia – se não houver respeito entre o animal e a criança, a relação não se desenvolve bem. Se a criança quiser brincar e o animal não quiser, ela terá que lidar com esta frustração
  • Confiança – os animais não julgam nossas atitudes, nem a nossa aparência, o seu animal gosta de você do jeito que você é! Nada melhor para fortalecer a autoestima
  • Ciclo da vida – como a expectativa de vida deles é bem menor que a nossa (cerca de 13 anos), acompanhamos a infância, a vida adulta e a velhice dos nossos animais. A dor da perda é enorme, mas ajuda a compreender que a vida é finita.

Para a relação com o animal ser tranquila e positiva, é fundamental estabelecermos regras e a família toda precisa cumprí-las.

Um exemplo: se a regra da casa é que o animal não pode subir na cama, ninguém pode deixar! É comum o filhote fofo e cheiroso poder TUDO, mas assim que cresce e vai passear na rua, não deixam mais nada. Assim ele fica confuso!! O animal não tem como entender porque um dia ele pode e outro não…

Precisamos ser consistentes e firmes, assim como a mãe gata ou cadela corrige seus filhotes. Nada de muita falação e gritos, assim, eles não entendem nada.

A relação de crianças com animais é linda e riquíssima, mas a responsabilidade também é enorme!

Pense com carinho.

 

Leia mais →
logo irsea

Mês passado tive a fantástica oportunidade de fazer um estágio no IRSEA, no sul da França.

Este Instituto privado se dedica ao estudo do comportamento dos animais e do ser humano e suas interações, especialmente no que diz respeito à comunicação química.

O principal objetivo é estudar e compreender os mecanismos responsáveis pela comunicação, mas também desenvolver métodos que permitam uma melhora no bem estar dos animais.

Semioquímica é o estudo da comunicação química, o modo de transmissão de informações mais antigo e mais amplamente difundido entre os seres vivos.

Etologia é o estudo do comportamento natural dos animais e a etologia aplicada é o tratamento comportamental, o atendimento e suas recomendações para solucionar os problemas.

O IRSEA foi criado a partir de uma ideia: interagir com o mundo dos seres vivos utilizando seus códigos, em vez de tentar usá-los para satisfazer as exigências humanas.

Esta ideia nasceu do desafio que a clínica veterinária comportamental experimenta todos os dias, em todo os lugares do mundo: melhorar e solucionar dificuldade das famílias com animais de estimação.

Durante muito tempo, o homem respondeu a essas situações conflitantes buscando forçar o animal a modificar seu comportamento, por meio de cirurgias, drogas psicotrópicas e métodos de treinamento coercitivos, que muitas vezes não resolviam o problema e levavam ao abandono ou à eutanásia dos cães e gatos.

A etotologia e a semioquímica surigiram como opções promissoras na compreensão dos animais e de possíveis meios para tratá-los.

Compreender o processo adaptativo que leva o animal a se comportar de uma maneira eficaz para lidar com o ambiente que o homem lhe oferece (nossas casas, nossa rotina) é uma estratégia possível e muito interessante.

 A partir daí, a perspectiva mudou, o animal que se comporta mal não está agindo contra o desejo do homem, mas respondendo a um dado contexto com as estratégias que sua espécie permite e de acordo com suas possibilidades individuais.

Complicado? Eu exemplifico:

Um cachorro que está roendo os móveis de uma casa, não está querendo chatear ou se vingar de sua família humana que o deixou sozinho. Ele encontrou uma maneira de lidar com o tédio e a solidão através de um comportamento natural (e necessário) dos cães: roer! Como ele não tinha (ou não se interessava) um brinquedo ou um osso disponível, encontrou a quina do móvel como alternativa.

A possibilidade individual se aplica quando pensamos nas experiências que aquele animal viveu. Por exemplo, se ele tem muito medo de barulhos estranhos (provavelmente porque não foi apresentado a eles quando filhotinho) e do lado de fora desta casa está acontecendo uma obra muito barulhenta, ele pode sentir muito medo e apresentar sintomas de pânico, como evacuar, babar, tremer e até tentar fugir raspando a porta de casa.

No IRSEA, existem diversos departamentos de pesquisa com engenheiros, químicos, biólogos, estatísticos e veterinários.

As pesquisas diretamente envolvidas com cães e gatos (cavalos, porcos, coelhos, e bovinos também) trabalham na identificação dos sinais químicos emitidos naturalmente pelos animais e na concepção de seus análogos, isto é, criar compostos químicos capazes de reproduzir os efeitos naturais.

Estes análogos se transformam em produtos industrializados e disponíveis no mercado para serem utilizados como novas formas de se comunicar com outras espécies.

Já temos alguns destes produtos disponíveis no Brasil.

Além dos estudos semioquímicos, também são realizadas pesquisas no campo celular, com o objetivo de conhecer melhor e tratar diversas patologias do trato olfativo, osteoarticulares, referentes ao envelhecimento cerebral e também no controle de parasitos.

Vocês sabiam que o peixe salmão pode ter uma espécie de piolho?

Que as aves podem ter sarna?

Estes estudos visam encontrar alternativas de tratamento mais eficazes e seguras.

O Instituto também trabalha com espécies selvagens em vias de extinção, para melhorar suas condições de vida em zoológicos introduzindo enriquecimentos sensoriais (odores e sons) e estímulos mentais.

Eles também oferecem cursos, estágios e muitos dos seus pesquisadores estão fazendo mestrado e doutorado por lá.

A clínica de atendimento comportamental possui uma estrutura preparada para tratar de cães, gatos, animais silvetsres e cavalos em ambientes separados e além de realizar consultas, oferece programas de prevenção e educação de filhotes.

Foi uma experiência incrível! Muito aprendizado e contato com pessoas muito generosas e dispostas a ajudar os animais a serem mais felizes!

eu no irsea

Leia mais →
encontro galera 280218

Conversamos sobre adoção de animais com necessidades especiais

Clique e Assista aqui

Minhas particpações estão nos blocos:

Bloco 6 – como os animais lidam com as necessidades especiais

Bloco 7 – perfil de familias adotantes, a dor da perda de um animal querido

Bloco 8 – Livros “Latido de Sabedoria” e “Miados de Sabedoria”, a venda nas lojas Imaginarium, em todo Brasil e online (clique aqui)

Leia mais →
cão e gato

Na minha rotina clínica de comportamento de cães e gatos, atendo muitas famílias com queixas que na verdade não são realmente problemas comportamentais.

É fundamental conhecer o comportamento natural das espécies e atender suas necessidades básicas.

Um cão que rói tudo, na verdade está exibindo um comportamento natural da espécie canina – cães precisam roer!

Mas para ele não roer todos os móveis da casa, precisamos oferecer brinquedos adequados e que ele goste…os animais também têm preferências, assim como nós!

Nem sempre o brinquedo da moda é aquele que a criança mais gosta, não é verdade?!

Outra queixa comum é a arranhadura, uma necessidade natural e básica dos gatos.

Os gatos arranham para deixar marcas olfativas e visuais para eles mesmos e para outros gatos. Eles depositam feromônios (substâncias químicas que promovem reações específicas em indivíduos da mesma espécie) através da arranhadura (existem glândulas na região das patinhas, bochechas e lateral do corpo) e também se esfregando em pessoas e objetos.

Alguns feromônios significam medo, segurança, tranquilidade.

As arranhaduras nos sofás não são somente uma forma de “tratar das unhas”, são marcação de território! É como se eles deixasse bilhetinhos com informações importantes espalhadas pela casa.

Precisamos oferecer arranhadores adequados (nem sempre é aquele que compramos!) e posicioná-los em locais estratégicos da casa. Não adianta colocar o arranhador na area de serviço, por exemplo…eles devem ficar próximos a entrada da casa, ao local de alimentação, nas passagens (corredor, por exemplo) e ao local de descanso favorito do gato.

Quando conseguimos suprir as necessidades básicas dos nossos animais de estimação, eles tendem a ser mais felizes e a convivência conosco também é muito mais harmônica!

Cães:

. Brincar

. Roer

. Passear (cães são animais sociais, eles precisam interagir com outros cães, mesmo se vivem num ambiente espaçoso)

. Água fresca à disposição

. Pelo menos duas refeições por dia – de preferência de forma ativa, como oferecer brinquedos recheados com alimento, procurar alimento pela casa, dar aos pouquinhos enquanto exercita e desafia seu cão a conseguir executar tarefas e/ou dificuldades

. Regras claras! Pode ou não pode subir no sofá?

. Cuidados veterinários

. Muito amor e carinho! Esta é a parte mais facil!

Gatos:

. Acesso garantido e um banheiro (bandeja sanitária) sempre limpo

. Várias pequenas refeições por dia

. Local de descanso sossegado

. Água muito limpa e fresca à disposição

. Locais altos para garantir um posto de observação inacessível

. Brincadeiras, de preferência as que imitam a caça

. Escovação frequente – para ajudar a limpar a pelagem

. Cuidados veterinários

. Muito amor e carinho…

Antes de interpretar alguns comportamentos inadequados do(s) seu(s) animal(is), pense bem se ele está com a qualidade de vida satisfatória, recebendo tudo que precisa.

Se você ainda não tem um animal de estimação, pense e reflita antes de decidir ter…você é capaz de oferecer estes itens básicos para seu futuro amor peludo?

Leia mais →
Nina Erica Mateus

Todos nós já vimos algum cachorro fantasiado, de roupinha ou de chapéu.

O que você acha?

Fofinho? Engraçado? Ridículo?

Será que o animal está gostando?

Somos todos diferentes e os animais também.

Há os que gostam, aqueles que nem se incomodam, outros que detestam e fazem de tudo para retirar a fantasia ou até ficam paralisados e se transformam em estátuas.

O mais importante é respeitar seu animal.

Se ele parece gostar ou não se incomoda, certifique-se que a fantasia é segura. Ela não pode soltar pedaços de tecido ou botões. Eles podem ser engolidos e causar uma obstrução gástrica ou intestinal – emergência veterinária no Carnaval, nem pensar!

O tecido também não pode ser muito quente e a fantasia não deve estar apertada – o ideal e testar: deve caber 2 ou 3 dedos entre ela e o corpo do animal.

No caso dos gatos, esqueça! Eles possuem a sensação tátil muito desenvolvida e não suportam nada sobre o corpo. Já passei por algumas situações em que o gato usava uma roupa (cirúrgica ou de inverno) e ficava absolutamente imóvel ou desconfortável rodando, pulando, andando de ré até alguém retirar a roupa dele.

Para saber mais sobre roupa cirúrgica, clique aqui.

Eu confesso que não gosto muito,  eles ficam mais leves e confortáveis sem nada (já bastam os pelos neste calorão!).

Mas é claro que um adereço na cabeça ou no pescoço podem deixar o cão até prosa da sua beleza!

Se você e seu cão curtem o Carnaval, divirtam-se!

Leia mais →
blush 2018

Eu e Isabella Saes estamos de volta nas ondas do rádio!

Toda quarta-feira, no programa “Hora do Blush” das 17h as 19h, vanos conversar sobre cães e gatos!

O programa também é transmitido pela internet, para ouvir basta clicar aqui.

Durante os intervalos, responderei perguntas através da “live” no facebook  e instagram

Espero vocês!

Leia mais →
cao e gato viagem ferias

Viajar é muito bom, mas para quem tem animais de estimação é importante se planejar com antecedência!

Seu animal viaja com você,  fica em casa ou em alguma hospedagem?

Se decidir por levá-lo com você (opção mais divertida), certifique-se de alguns itens antes de partir:

  • seu animal está saudável? Na dúvida, leve-o ao veterinário antes
  • vacinação em dia – leve a carteira para comprovar em caso de acidente (seu animal pode se envolver em alguma briga ou até mesmo arranhar ou morder alguém)
  • use uma coleira com placa de  identificação (nome, telefone)
  • leve ração, em quantidade suficiente
  • leve os pote de água e comida
  • brinquedos, cama e tapete sanitário (se ele estiver acostumado) ou caixa sanitária + areia (gatos)
  • preventivo de pulgas, carrapatos e filariose em dia (saiba mais, clicando aqui)
  • se ele toma algum medicamento, leve em quantidade suficiente
  • se a viagem for de carro, evite alimentar seu animal antes, eles enjoam com muita frequência. Saiba mais sobre cinetose (enjoo de movimento) clicando aqui
  • se você já sabe que ele vomita, converse com o/a veterinário dele sobre alguma medicação preventiva
  • caixa de transporte ou cinto de segurança para transportá-lo de forma segura (saiba mais sobre caixa de transporte, clicando aqui)
  • se a viagem for interestadual ou para fora do país, cheque os documentos necessários (atestado de saúde emitido pelo veterinário, chip, exames de sangue)
  • algumas companhias aéreas permitem que o animal de porte pequeno viaje na cabine
  • sedação – para saber mais, clique aqui
  • tome cuidado com os gatos- se não estiverem muito acostumados ao novo ambiente podem se esconder, fugir e acabar se acidentando
  • se a família for ficar hospedada em um hotel, cheque se aceitam animais e se o terreno é todo cercado. Se for para casa de amigos, cheque se tem outros animais, se o espaço é fechado e  se existem plantas tóxicas e/ou produtos no jardim

Se optar por deixar seu animal:

  • visite e escolha em qual hospedagem seu animal vai ficar
  • reserve com antecedência
  • vacinação e preventivo de parasitos em dia
  • combine qual será a alimentação durante a estadia
  • deixe o telefone do seu veterinário e de algum responsável em caso de necessidade
  • não esqueça de levar os “pertences”-cama, potes, brinquedos para seu animal se sentir mais confortável
  • leve os medicamentos necessários
  • se for uma fêmea no cio, avise ao responsável da hospedagem
  • as vezes é possível deixar o animal em casa com algum amigo ou parente que concorde em se hospedar na sua casa e cuidar de seu animal. No caso dos gatos, acho a melhor opção (também existe o serviço de “cat sitter”)
  • atualmente, existem aplicativos (como o Dog hero) para encontrar famílias que desejam hospedar um animal em casa! Vale experimentar!

Boas férias! Divirtam-se!

Leia mais →
encontro 211217

No dia 21/12/2017, conversamos sobre animais para adoção, medo de fogos e conhecemos a linda história do cão Artur.

Clique aqui para assistir o bloco sobre adoção

Clique aqui para assistir a parte dos fogos

Clique aqui para assistir a matéria sobre um cão que trabalha num crematório para ajudar a confortar as famílias enlutadas

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato