Gato com fone de ouvido

Latir é normal. O problema é o exagero.

Em primeiro lugar, devemos entender porque o cachorro está latindo exageradamente.

Espera-se que o cão nos avise, dê o sinal de alguém que chega, latindo.

Mas os cães podem latir por diferentes motivos: ansiedade, tédio, solidão, para chamar atenção, para dar algum sinal ou simplesmente porque se sentem bem.

Se o seu cão late somente quando a família está em casa, ele provavelmente é um sinalizador, quer te avisar sobre alguma ameaça (mesmo que somente na interpretação dele). Ou está tentando chamar sua atenção.

Nada como contar com seu fiel escudeiro para se sentir mais seguro, mas ele precisa parar de latir quando já fomos avisados do “perigo” (na maioria das vezes, uma visita). E é possível ensiná-lo.

Como em qualquer treinamento, precisamos ser claros e consistentes. O cão precisa entender o que queremos dele.

Não adiantar gritar “QUIETO” ou “NÃO LATE”. Ficamos todos mais agitados, cansados e não funciona!

Existem várias técnicas de adestramento para ensinar o cão a controlar os latidos.

Experimente ficar ao lado dele. Quando perceber que ele vai latir, mande-o sentar. É claro que ele já precisa saber e obedecer o comando SENTA.

Assim que ele parar de latir, elogie-o e/ou ofereça um petisco.

Quando o cão late para chamar a sua atenção, experimente ignorá-lo COMPLETAMENTE, sempre que ele latir. Você pode até levantar e sair do ambiente. Lembre-se que para o cachorro, uma simples troca de olhares é compreendida como atenção. Nem olhe para ele.

Para não deixá-lo carente de atenção, sempre que ele desistir, parar de latir e estiver quieto, chame-o para brincar, escove-o, enfim, dê atenção.

Quanto melhor for a qualidade de vida do animal, mais equilibrado e feliz ele será e consequentemente, ele latirá menos.

Existem diversos brinquedos que deixam o animal entretido, como aqueles recheáveis. Usamos algum alimento saboroso e o animal fica envolvido em retirá-lo de dentro do brinquedo.

Saiba mais clicando aqui.

Estes tratamentos objetivam diminuir o latido em excesso e costumam funcionar muito bem porque retiram todas as recompensas que até então, reforçavam o comportamento indesejado.

Se o seu cão é extremamente agitado, ansioso e não tem nenhum nível de obediência, você pode precisar de ajuda profissional (adestrador e veterinário especialista em comportamento animal).

Vale a pena tratar os cães que latem demais. Não só para reduzir o barulho e não incomodar os vizinhos, mas também para ter um animal mais equilibrado e feliz.

Leia mais →
WhatsApp Image 2020-01-20 at 13.41.06

Você já pensou o tanto que podemos aprender com cães e gatos?

Pensando em coisas que os animais podem ensinar aos humanos e também nas atitudes que nós podemos ter para melhorar a vida deles, eu escrevi estes dois livros muito especiais, o Latidos de Sabedoria e o Miados de Sabedoria, que estão em pré-venda!

Os cães, por exemplo, tratam todo mundo com igualdade, não valorizam dinheiro, nem poder. São puro amor! 🐶

Já os gatos nos ensinam que se alongar ao sair da cama é necessário. O alongamento ativa os movimentos dos músculos e aumenta a circulação sanguínea para todo o corpo, inclusive o cérebro. Muito inteligentes, né? 🐈
.
Os livros podem ser adquiridos individualmente ou em um combo. E fazendo o pedido durante a pré-venda você recebe brindes exclusivos:
+ marcador de páginas
+ ecobag estampada

Para comprar, no site da Editora Belas Letras, clique aqui.

Os envios iniciarão a partir do dia 17/02/20.

Leia mais →
cachorro comendo

Seu cão está doente? Caprichoso? Ou cansado da dieta do dia-dia ?

Vamos considerar que ele está saudável, mas não se anima para comer.

A situação mais frequente é o cachorro recusar a ração seca que oferecemos ou demorar horas para comer.

Neste momento, como você e sua família se comportam? Insistem, ignoram, consolam ou oferecem comida na mão?

Se ele estiver recebendo muita atenção quando se recusa a comer, ele pode continuar assim até receber toda atenção extra que deseja.

Se o seu cão está “mimado”, só come se alguém insistir, não transforme a hora da refeição numa barganha por atenção.

Simplesmente coloque a ração na vasilha e se afaste. Se ele não comer imediatamente, retire a vasilha do chão, guarde em local fresco e seco (dentro de 1 saco plástico, por ex) e só ofereça na refeição seguinte.

Não se assuste se ele não comer. Se o seu coração não aguentar, ao invés de só oferecer na refeição seguinte, experimente 1 h depois. Outra tentativa é retirar metade do conteúdo e colocar a vasilha no chão novamente. Se ele ainda não quiser, repita a operação e quando estiverem sobrando apenas alguns grãos, pode ser que o instinto de sobrevivência fale mais alto, e ele coma. Afinal, o alimento está sumindo! É melhor garantir.

É importante lembrar que os cães eram caçadores. Os caçadores nem sempre obtém alimento todos os dias. A capacidade de jejum deles é enorme. Um cão é capaz de ficar 3-4 dias sem comer, sem desmaiar como acontece com seres humanos, mas atenção: eles não podem ficar sem beber água.

Tendo a certeza que há alimento disponível, quando a fome apertar ele vai comer.

Evite adicionar carne ou outra proteína animal na ração. A quantidade ideal de proteína já está contida na ração, a maior vantagem de alimentar os animais com rações industrializadas de qualidade, é a garantia de uma nutrição completa, balanceada e equilibrada.

Mas, se você quiser adicionar sabor na ração, considere colocar um pouquinho de petisco, frutas outro tipo de alimento na ração. Alguns animais já ficam animados e comem melhor com um simples fio de azeite por cima. Saiba quais aliemntos não devem ser oferecidos, clicando aqui.

Uma outra alternativa é misturar a ração seca com ração umida, desta forma não quebramos o balanceamento da dieta e o cachorro fica mais animado com o cheiro e sabor da dieta umida.

Este pode se tornar um hábito difícil de retirar, pense bem e converse com o(a) veterinraio(a) que cuida do seu cachorro.

Também é possível trocar a marca da ração de vez em quando, mas faça isso de maneira gradual e sempre opte por rações de qualidade.

Se o seu animal precisa de uma dieta especial (há rações comerciais para diabéticos, insuficiente renais etc, não gosta de ração de jeito nenhum ou você está disposto a mudar, é possível oferecer alimentos feitos em casa, mas é fundamental o acompanhamento de um nutricionista veterinário. As necessidades nutricionais dos cães são muito diferentes das humanas.

Para saber mais sobre alimentação natural, clique aqui.

 

Leia mais →
feliz 2020

A maioria dos cães e muitos humanos sensíveis sofrem quando escutam sons altos e fortes como o som dos fogos.

Pode ser em época de jogos de futebol, no Réveillon, nas festas juninas e até mesmo quando tem tempestade com trovões.

Um dos motivos, é o fato da audição dos cães ser mais sensível que a humana.

Eles escutam mais alto e alcançam uma frequência maior que a nossa:

Homem – 20 Hz a 20 Khz

Cão  – 40 Hz a 60 Khz

Gato – 20 Hz a 78 Hz

Isto significa que eles escutam sons inaudíveis para nós.

Para os animais, além de ser um som muito forte e alto, é uma surpresa. Eles não sabem a origem, não sabem que foi alguém que produziu aquele som, para se divertir.

Eles podem até confundir com o som de uma catástrofe natural como um terremoto, um desabamento.

Quem não se lembra dos animais fugindo da Tsunami minutos antes dela acontecer?

Muitas vezes ainda surgem luzes diferentes no céu e até cheiro de pólvora no ambiente. Este cenário é bastante assustador para a maioria dos animais.

A maioria dos animais que sentem medo de barulhos já vivenciaram uma experiência desagradável e traumática, especialmente se estavam sozinhos durante um Reveillon ou jogo de futebol.

Este é mais um motivo para evitarmos que eles se sintam sozinhos e sintam medo nestas ocasiões.

Os animais que apresentam um medo leve, costumam tremer, seguir a pessoa querida pela casa, ficam ofegantes e procuram se esconder.

Aqueles que apresentam fobia de barulhos altos,  entram realmente em pânico e podem ficar agitados, correndo de um lado para o outro, podendo até fugir de casa e se machucar.

Não esqueço de um cachorro que atendi durante um jogo do Brasil na Copa de 1998 que atravessou uma varanda de vidro e ficou bastante machucado.

Nós podemos e devemos ajudá-los.

O tratamento ideal é a dessensibilização.

Isto significa expor o animal ao som bem baixinho, gradualmente enquanto ele experimenta sensações prazerosas e se sente confortável.

Se o tratamento for bem feito, o cão pode melhorar muito e não mais apresentar os sinais de medo. Mas este tratamento precisa ser realizado com antecedência, precisa ser feito por alguns meses.

Além dos veterinários que trabalham com comportamento, muitos educadores caninos também realizam a dessensibilização, existem CDs com sons de fogos, bombas e tiros além de várias opções na internet.

Mas muitos animais também precisam da ajuda de medicações para lidar melhor com o tratamento.

Neste caso somente um(a) veterinário(a) poderá receitar o medicamento.

Mas estamos às vésperas do Reveillón… não dá para tratá-lo a tempo, mas podemos ao menos amenizar o sofrimento.

Se o seu animal apresenta sinais de pânico, procura se esconder e até mesmo “atravessar” paredes quando os fogos começam, procure seu veterinário e converse sobre a possibilidade de medicá-lo. É possível usar medicações que diminuem a ansiedade, sem “dopar” o animal.

Não medique seu animal sem orientação veterinária!

Independente do seu cão ou gato sentir pouco medo ou entrar em pânico, vale a pena protegê-lo!

Os cuidados começam durante o dia, horas antes do Reveillon.

Divirta-se bastante com seu cão, leve-o para passear ou brinque muito com seu gato, escolha os brinquedos favoritos e bem desafiadores, estimule todos os sentidos deles, enfim dê uma canseira neles!

Também não é interessante alimentá-los demais durante o dia para guardarmos apetite para a noite…

É importante que ele não fique sozinho. Se você vai sair, procure um amigo ou parente ou até mesmo contrate alguém para acompanhá-lo.

Escolha um cômodo da casa, o mais silencioso e protegido e construa um ambiente seguro, o menos estressante possível.

Ligue um som ambiente, pode ser a TV ou uma música (existem até músicas compostas especialmente para cães e gatos! Clique aqui), feche as janelas, cortinas e ligue o ar condicionado ou ventilador na modalidade mais barulhenta.

Se o seu cão ou gato gosta de uma “toca”, como uma caixa de papelão ou até mesmo a caixa de transporte (saiba mais clicando aqui), ofereça esta opção. Podemos usar uma caminha, tapete, paninho e até mesmo uma roupa nossa usada para criar este “ninho” de segurança.

Vale a pena usar os ferômonios sintéticos disponíveis nas petshops (existem opções em spray e difusores para cães e gatos) para eles sentirem uma maior sensação de segurança neste ambiente – para saber mais, clique aqui.

Leve seu animal para este ambiente o máximo de vezes possível, antes do momento dos fogos (podem ser dias ou horas antes) e ofereça sensações prazerosas para ele, como petiscos, brincadeiras, massagens escovações (com escova macia!), você pode até cantar para ele!

A ideia é este ambiente se tornar um ótimo refúgio!

Quando os fogos começarem a estourar (em alguns lugares começam hooooras antes) leve seu animal para este cômodo (se é que ele já não estará lá!) e ofereça os alimentos preferidos dele.

Gosto muito da ideia de alimentar os animais de forma ativa, desafiadora, nós podemos esconder alimentos em brinquedos recheáveis, fazer trilhas com ração e/ou petiscos, usar caixas de papelão entre outras milhões de opções.

O ideal é que seu animal já esteja habituado a esta maneira diferente de comer, assim podemos incrementar ainda mais usando os alimentos favoritos congelados, por exemplo. Vale usar caldinho, frutas, alimentos humanos, úmidos, contanto que você conheça aqueles que seu animal gosta muito e se dá bem, isto é não apresenta problemas digestivos.

Mas se ele não estiver acostumado, tudo bem. Ofereça da mesma maneira.

Deixe-o sozinho neste ambiente o mínimo possível. Se precisar sair, volte sempre para monitorá-lo.

Evite demonstrar medo e desconforto para seu animal. Nossa insegurança só traz mais ansiedade para ele. Se você também se assusta e detesta fogos, disfarce.

Alguns animais ficam completamente “dominados”, congelados pelo medo e chega a ser impossível desviar a atenção deles para outra atividade.

Neste caso, deixe o seu cão no local protegido da casa, perto de você.

Se o seu cachorro já está habituado a usar fones de ouvido (sim, eles existem) e/ou coletes para aliviar a anisedade, fique à vontade! Mas não use nenhuma novidade num momento de aflição, pode piorar o quadro de desconforto dele.

Não brigue com ele, em hipótese nenhuma!

Não faz o menor sentido dar broncas e chamá-lo de medroso ou fracote – não ajuda em nada e só deixa o animal mais aflito.

Essas medidas não vão livrá-lo do medo, mas podem ajudar bastante.

Desejo um 2020 doce, suave e muito saudável a todos!

(Mas evite soltar fogos! Os animais agradecem!)

Leia mais →
natal gato

Os cães e gatos têm um olfato poderoso e sentem o cheiro maravilhoso das comidas especiais do fim de ano.
Mesmo que seu animal não esteja acostumado a comer comida de gente, é possível que ele não resista à tentação.
Nesta época de festas, com a casa cheia, crianças e muita comida disponível, devemos redobrar a atenção.

Alguns alimentos são potencialmente tóxicos para cães e gatos como chocolate, bebidas alcoólicas e gorduras. Mesmo um pedaço de peru pode ser bastante indigesto e levar seu animal a um quadro de vomito, diarreia e desidratação.

Um pedaço pequeno para um ser humano pode ser enorme para um cão de 3 Kg.
Evite deixar os alimentos ao alcance dos animais – cubra, coloque numa prateleira alta, evite migalhas no chão, feche a porta ou até mesmo proteja os animais, separando-os noutro cômodo da casa.
Não esqueça de avisar às visitas que cães e gatos não devem comer rabanada, pão, nozes, fios de ovos, uvas…
Pode parecer exagero, mas é proteção.
Já passei muitos plantões no dia seguinte das festas cuidando de animais que comeram comida de gente e passaram mal.

Também existe o risco deles engolirem pedaços de embalagens de presentes e de alimentos e sofrerem algum problema intestinal causada por um corpo estranho.
É possível educar um cão e ensiná-lo a não “roubar” comida.
Antigamente, se recomendava punir o animal na “hora do flagrante” .

Para não ser punido, geralmente o cão para de roubar comida na presença de alguém, mas ele não aprende que roubar comida é uma atitude inadequada.

Está provado que não se deve punir os cães e gatos para educá-los.

As punições os deixam assustados, ansiosos e na maioria das vezes, com medo das pessoas.
Ensinar 1 comando como “larga” é muito útil para o cão soltar a comida (ou qualquer outro objeto roubado), evitando problemas digestivos.

Um Feliz Natal e uma ajudinha para montar a árvore de Natal!

Que 2019 seja um ano suave e saudável!

Leia mais →
different animals with giftbox and flower together

Muitas crianças sonham e imploram para ganhar um cão ou um gato de presente.

O Natal é uma oportunidade para elas realizarem este sonho.

Mas os animais não são objetos, não podem ser trocados, descartados ou doados se não se adaptarem bem ao novo ambiente.

Ter um animal de estimação é uma experiência riquíssima e só mesmo vivendo e experimentando, para conhecer o amor que nasce nesta relação.

O convívio de crianças com animais é muito enriquecedor (saiba mais clicando aqui), elas aprendem a serem responsáveis e a respeitar o limite do outro entre outras experiências riquíssimas.

O problema surge quando a família não está decidida e preparada a conviver com um animal de estimação.

Ter um cão ou gato requer dedicação, tempo, planejamento e investimento financeiro.

Mesmo que a criança se comprometa a ajudar, realizando tarefas simples (como trocar a água ou escovar os pelos), a responsabilidade é dos adultos.

Os gatos exigem menos dedicação, não precisam passear, são menos dependentes e mais silenciosos. Mas também precisam de cuidados e atenção.

Os cães precisam de MUITA atenção, adestramento básico, passeios, atividades físicas e mentais além de muito carinho.

A expectativa de vida dos cães e gatos gira em torno de 12 anos (podendo chegar a 20!) e muitas pessoas não podem se comprometer por este longo período.

Se alguém na família for alérgico, vale a pena escolher bem o tipo de pelagem (saiba mais clicando aqui).

Não se esqueça de checar se no local onde a pessoa mora, é permitido ter animais.

Outra consideração importante é em relação às viagens. É preciso planejamento para não ser pego de surpresa na hora de arrumar as malas e programar a hospedagem do animal ou combinar com alguém para cuidar dele (saiba mais clicando aqui).

A decisão de ter um animal de estimação deve ser muito bem planejada. Por isso eu acho perigoso dar animais de presente.

Se após muita reflexão a decisão for por adquirir um animal, considere adotar ao invés de comprar. Existem muitas instituições com animais a disposição para adoção.

Se a ideia for adquirir um animal de raça, estude bem as características das raças e a qualidade das criações.

Conheça os locais que os animais são criados e tire todas as suas dúvidas.

Sejam felizes e Feliz Natal!

 

Leia mais →
n ouco n vejo n falo

Quando pensamos em visão, olfato, audição, tato e paladar, temos nossas referências humanas, claro. Nós somos humanos.

Mas temos muito a refletir sobre como os cães e gatos percebem o mundo, será que eles vivem e sentem como nós ?

Muita gente acredita que sim, mas esta confusão pode gerar muitos problemas, afinal são muitas as diferenças.

Inicialmente devemos pensar sobre como eles nos consideram, nos enxergam, nos cheiram, nos sentem.

Para nós, eles são animais de estimação para nos fazer companhia, para dividirmos nossas vidas, nosso amor e afeto.

Antigamente era muito comum os animas terem uma vida separada da família, viviam no quintal, do lado de fora da casa para exercer alguma função como a de guarda, por exemplo.

Atualmente é raro convivermos com animais que tem uma função, um trabalho e que recebem abrigo, carinho e alimento como “pagamento”.

Geralmente estes animais exercem estas funções em instituições, como Polícia, Bombeiros ou trabalham como guias de cego ou ajudantes de pessoas com necessidades especiais.

Para nós humanos, eles fazem parte das nossas famílias!

E nós para eles, o que somos?

Família? Grupo? Matilha? Protetores?

É difícil definir, por mais que se estude o comportamento dos cães e gatos.

Mas nós sabemos as diferenças da percepção dos sentidos. E entender as diferenças, já nos ajuda muito:

VISÃO

Os cães e gatos nascem cegos, seus olhos só começam a abrir por volta da segunda semana de vida e eles começam a enxergar o mundo aos poucos.

Eles não são capazes de enxergar todas as cores como nós, mas também não é em preto e branco como muitos acreditam.

grafico cores Gato: 450561

Cão: 429555

Homem: 400780

Tartaruga : 450620

Passariformes: 370570 Rato: 510 

Visão das cores, pelo cão

Visão das cores, pelo cão

 

 

No gráfico acima podemos ver que enquanto nós humanos enxergamos quase toda extensão (do roxo ao preto) os cães e gatos só são capazes de distinguir as cores no intervalo entre o azul, o verde e o amarelo. Na barra de cores, vemos a representação das cores que o cão enxerga.

Mas em compensação, os gatos (por exemplo) possuem uma capacidade muito maior que a nossa para perceber os movimentos. Por isso são capazes de pegar uma borboleta no ar com muita facilidade. Esta diferença se deve ao maior número de bastonetes (células responsáveis pela percepção de movimento) que eles possuem.

Os cães e gatos também enxergam melhor do que nós humanos, no escuro. Não é necessário deixar uma luz ligada para eles durante a noite, por exemplo!

A posição dos olhos, mas lateralizados na cabeça, também confere um maior ângulo de visão que o nosso e isto significa que eles possuem uma melhor visão lateral que a nossa.

Outra consideração importante é em relação a perda da visão. Para nós, este é o sentido mais importante. Quando nos deparamos com um animal de estimação que está ficando cego, nos imaginamos no lugar dele e é comum uma sensação de dor e desespero muito grande. Mas não é bem assim. Para eles, mais importante que a visão é o olfato e também a audição.

Nos idosos, a diminuição da visão é gradual e como a capacidade de adaptação dos animais é muito grande eles são capazes de conviver bem com esta dificuldade. Podemos ajudar evitando trocar móveis de lugar e marcando alguns locais com um perfume suave.

Para saber mais sobre perda de visão em cães e gatos, clique aqui.

Saiba mais sobre cuidados com cães e gatos idosos, clicando aqui.

OLFATO

Os cães e gatos nascem com a capacidade de encontrar sua mãe para se alimentarem e se aquecerem, através do olfato e de receptores de calor.

Mas eles ainda não conhecem nem reconhecem todos os cheiros.

Os cães possuem o melhor olfato entre as espécies domésticas. Eles possuem 40 vezes mais células receptoras que nós, humanos.

Os odores exercem função de comunicação para os animais. Por isso eles cheiram tanto o chão, fezes, urina e o bumbum de outros animais. Eles são capazes de saber se passou por ali um macho ou fêmea, se estava no cio, se era um animal adulto ou filhote…e até dizer: oi, tudo bem, eu te reconheço!

Esta é a principal razão para não usarmos nenhum tipo de perfume nos nossos animais, atrapalhamos muito a percepção olfativa deles.

Também é fundamental permitir que os animais inspecionem e cheirem o chão e as superfícies que interessarem a eles. Por mais que pareça estranho e até nojento para nossa avaliação humana, para eles é uma forma de “ler” o mundo. Impedir que um animal cheire é como atrapalhar alguém que está tentando ler um jornal…

Deixar uma camisa usada pelo dono para o animal se sentir mais seguro quando ele fica sozinho em casa ou vai passar alguns dias numa hospedagem ou numa internação, pode ajudar muito.

AUDIÇÃO

Os filhotes nascem com os ouvidos fechados e completamente surdos.

Entre o 5º e 8º dia os ouvidos começam a abrir e a capacidade auditiva vai aumentando aos poucos.

Os cães e gatos escutam numa frequência mais extensa que a nossa. Isto significa que não somos capazes de ouvir alguns sons que eles percebem. Às vezes eles reagem a algum estímulo sonoro que nós nem percebemos e devemos tomar cuidado para não achar que eles estão malucos: ” meu animal é doido, late (ou fica olhando) para o nada!”

Pode ser que ele tenha percebido algum sinal que os ouvidos humanos não são capazes de ouvir…

Enquanto os gatos são capazes de ouvir frequências entre 48Hz e 85 000Hz e os cães entre 15Hz e 50 000Hz, nós humanos percebemos frequências entre 20 Hz e 20 000Hz

Os filhotes de gatos emitem ultrasons para atrair a atenção das mães e nós não somos capazes de ouvir!

Os animais que utilizam sons para se orientar no espaço, percebem uma frequênica ainda maior: morcegos ouvem a faixa 1 000Hz – 120 000Hz e os golfinhos, 70 Hz – 240 000Hz.

Alguns animais reagem “cantando” ou uivando a algumas músicas,  sons e até notas musicais específicas.

Evite soltar fogos, estalinhos, usar cornetas ou expor seu animal a estímulos sonoros desagradáveis. Eles possuem  ouvidos muito sensíveis.

Lembre que mesmo ouvindo ele pode não entender o significado do que você está falando. Os animais aprendem um vasto vocabulário, se alguém ensinar e repetir constantemente.

Mas não adianta se lamentar ou reclamar com seu animal num tom doce e esperar que ele compreenda…ele vai achar que está recebendo um elogio.

Também devemos evitar falar e usar comandos de adestramento de forma agressiva.

Se o animal demonstra sinais de medo, o aprendizado pode ser comprometido e atrapalha a relação de confiança conosco.

Todo elogio deve ser doce e suave.

Facilita a compreensão dos nossos animais.

TATO

Os gatos possuem uma percepção tátil muito desenvolvida.

Isto explica algumas atitudes e nos ajuda a tratar alguns desvios comportamentais.

Se o seu gato não está usando a bandeja sanitária, pode ser que ele tenha aversão a encostar, sentir e tocar na textura da areia utilizada, experimente trocar a marca ou o tipo. Se ele está usando um vaso de plantas para defecar ou urinar, espete palitinhos de dente na terra. Não vai machucá-lo, mas ele deve desistir de usar este local.

Evite colocar roupas ou acessórios nos gatos, eles podem “virar estátuas” ou se desesperarem para se livrar do “peso”.

PALADAR

Os cães e gatos possuem menor número de papilas gustativas (responsáveis pela percepção do sabor) que os humanos.

É claro que eles também tem preferências, mas são diferentes das nossas.

Quem nunca viu um animal adorar um cheiro que para nós é extremamente desagradável?

Como o olfato dos cães e gatos é super potente, eles se interessam por cheiros interessantes, mas isto não significa que eles também sentem os sabores com a mesma intensidade.

Os gatos detectam melhor os sabores salgados que os doces e também preferem alimentos aquecidos.

Outra consideração importante são os hábitos alimentares. Antigamente, quando eles precisavam caçar para se alimentar, comiam carne crua, roíam ossos e as vezes restos (muitas vezes estragados).

É interessante apresentar diferentes alimentos (especialmente frutas e legumes) para os cães e gatos desde filhotes para desenvolver o paladar e acostumá-los a sabores variados. Esta medida pode ser muito útil no caso do animal precisar ingerir uma dieta terapêutica diferente. OS gatos devem se habituar a comer alimeto úmido desde a infância! SÃO MUITOS COMUNS OS CASOS DE INSUFICIÊNCIA RENAL EM GATOS IDOSOS E A INGESTA LÍQUIDA É FUNDAMENTAL!

Claro que oferecemos o melhor que podemos para nossos animais, mas não devemos estimular o paladar exigente. Se o animal só recebe ração, a tendência é ele comer bem para satisfazer sua fome. Se a cada dia que ele não quiser comer ração nós oferecermos um alimento diferente, podemos criar um animal muito exigente e ainda causar problemas digestivos (vômitos e diarreia).

 

Leia mais →
cao e gato viagem ferias

Viajar é muito bom, mas para quem tem animais de estimação é importante se planejar com antecedência!

Seu animal viaja com você,  fica em casa ou em alguma hospedagem?

Se decidir por levá-lo com você (opção mais divertida), certifique-se de alguns itens antes de partir:

  • seu animal está saudável? Na dúvida, leve-o ao veterinário antes
  • vacinação em dia – leve a carteira para comprovar em caso de acidente (seu animal pode se envolver em alguma briga ou até mesmo arranhar ou morder alguém)
  • use uma coleira com placa de  identificação (nome, telefone)
  • leve ração, em quantidade suficiente
  • leve os pote de água e comida
  • brinquedos, cama e tapete sanitário (se ele estiver acostumado) ou caixa sanitária + areia (gatos)
  • preventivo de pulgas, carrapatos e filariose em dia (saiba mais, clicando aqui)
  • se ele toma algum medicamento, leve em quantidade suficiente
  • se a viagem for de carro, evite alimentar seu animal antes, eles enjoam com muita frequência. Saiba mais sobre cinetose (enjoo de movimento) clicando aqui
  • se você já sabe que ele vomita, converse com o/a veterinário dele sobre alguma medicação preventiva
  • caixa de transporte ou cinto de segurança para transportá-lo de forma segura (saiba mais sobre caixa de transporte, clicando aqui)
  • se a viagem for interestadual ou para fora do país, cheque os documentos necessários (atestado de saúde emitido pelo veterinário, chip, exames de sangue)
  • algumas companhias aéreas permitem que o animal de porte pequeno viaje na cabine
  • sedação – para saber mais, clique aqui
  • tome cuidado com os gatos- se não estiverem muito acostumados ao novo ambiente podem se esconder, fugir e acabar se acidentando
  • se a família for ficar hospedada em um hotel, cheque se aceitam animais e se o terreno é todo cercado. Se for para casa de amigos, cheque se tem outros animais, se o espaço é fechado e  se existem plantas tóxicas e/ou produtos no jardim

Se optar por deixar seu animal:

  • visite e escolha em qual hospedagem seu animal vai ficar
  • reserve com antecedência
  • vacinação e preventivo de parasitos em dia
  • combine qual será a alimentação durante a estadia
  • deixe o telefone do seu veterinário e de algum responsável em caso de necessidade
  • não esqueça de levar os “pertences”-cama, potes, brinquedos para seu animal se sentir mais confortável
  • leve os medicamentos necessários
  • se for uma fêmea no cio, avise ao responsável da hospedagem
  • as vezes é possível deixar o animal em casa com algum amigo ou parente que concorde em se hospedar na sua casa e cuidar de seu animal. No caso dos gatos, acho a melhor opção (também existe o serviço de “cat sitter”)
  • atualmente, existem aplicativos (como o Dog hero) para encontrar famílias que desejam hospedar um animal em casa! Vale experimentar!

Boas férias! Divirtam-se!

Leia mais →
adotar

Você acaba de chegar em casa, com o mais novo integrante da família, mas como lidar?

Ele vai chorar?

Melhor deixar ele sozinho ou grudado comigo?

Aonde posicionar o “banheiro” dele? E a alimentação?

São muitas dúvidas.

Se o gato ou cachorro adquirido for um filhote, leia as recomendações do texto “Orientação Pediátrica”, clicando aqui.

Se o animal já for adulto, siga estas recomendações:

  • Leve-o para atendimento veterinário! Tire todas suas duvidas e peça orientação a respeito de vacinação (saiba mais clicando aqui), vermifugação e controle de pulgas e carrapatos (saiba mais aqui).
  • Alimentação: siga a mesma dieta que ele comia anteriormente. Se quiser trocar, faça de forma gradativa. Misture a alimentação antiga à nova aos poucos. Este processo deve durar aproximadamente uma semana. Não deixe alimento disponível para os cães. Adultos comem 2 vezes ao dia, de preferência na mesma hora. Se ele não comer na hora que você oferecer, guarde e ofereça novamente na refeição seguinte. Os gatos precisam de várias refeições ao dia. Se for necessário deixar disponível, quantidade precisa ser controlada. Para savebr mais, clique aqui.
  • Se ele tiver um brinquedo ou “paninho” da casa anterior, deixe-o ficar junto com este objeto. Pode ajudar muito na adaptação.
  • Cães – escolha um local para “banheiro” e clique aqui para saber mais.
  • Gatos- a caixa sanitária não deve ficar em locais de difícil acesso, próximos a maquinas barulhentas, nem do comedouro e bebedouro. Para saber mais sobre “banheiro de gato”, clique aqui.
  • Se seu animal estiver muito tímido ou medroso, não force-o a conhecer muitas pessoas nem a ficar no ambiente mais movimentado da casa. Conquiste-o aos poucos! Chame-o para brincar, ofereça petiscos interessantes e assim ele vai se aproximar de maneira voluntária. Não force a barra!
  • Prepare sua casa! Retire tapetes e objetos preciosos. Até ele aprender o que pode ou não fazer é mais seguro e evita aborrecimentos. Se necessário, deixe-o separado de algum cômodo “proibido”. Gatos são curiosos e sofrem acidentes com frequência. Mantenha as janelas protegidas com telas ou grades.
  • Ofereça “ambientes verticais” para os gatos: prateleiras, espaço em cima do armário, passagens entre cômodos etc (Saiba mais aqui).
  • Evite ficar grudado no seu animal. Pode ser irresistível, mas a tendência é ele ficar muito dependente e só se sentir seguro na sua presença. Force momentos de separação, deixando-o fora do mesmo cômodo que você está, nem que seja por 5 minutos. Aos poucos vá aumentando este tempo. Evite deixar ele entrar no banheiro com você, por exemplo.
  • Evite se despedir e cumprimentá-lo de maneira muito efusiva. O animal pode acabar associando as saídas e chegadas como os melhores momentos do dia.
  • Ofereça um “porto seguro”: pode ser uma caixa de transporte, um cantinho, uma poltrona, uma caminha, um espaço embaixo de um armário – eles tendem a se sentir seguros e acolhidos em espaços pequenos.
  • Brinque muito com seu novo amigo! Existem muitos brinquedos disponíveis.
  • Socialize-o! Apresente o novo membro da família para seus amigos, parentes e visitantes. Peça para as pessoas oferecerem petiscos, brincarem e se relacionarem de forma carinhosa com seu animal.
  • Acostume-o a ser manipulado. Se o animal permitir, mexa nas orelhas, dentes, barriga etc. Sempre de maneira sutil e carinhosa. Nunca ultrapasse o limite dele! Pode até ser perigoso! Mas aos poucos, vá conquistando sua confiança e preparando-o para ser examinado sem estresse.
  • Se o animal demonstrar medo de barulhos como fogos, trovões etc, evite consolá-lo. Você pode deixá-lo próximo a você, mas sem fazer carinho nem conversar. Saiba mais, clicando aqui.

Aqui no Bicho Saudável, você encontra  muitos textos orientando a ser relacionar de forma harmônica com seu cão ou gato.

Algumas sugestões:

http://www.bichosaudavel.com/dicas-para-bom-comportamento/

http://www.bichosaudavel.com/brincar-de-morder/

http://www.bichosaudavel.com/caixa-de-transporte/

http://www.bichosaudavel.com/passeios-com-caes/

 

Leia mais →
dogs_wedding

É muito comum ouvirmos as pessoas falarem com um tom triste que seus animais de estimação nunca “casaram” ou namoraram.

Principalmente a família do cão ou gato macho……

É muito importante esclarecer que na natureza dos cães e gatos, não há relações amorosas estáveis. Eles podem ser muito amigos e parceiros, mas na hora de reproduzir, a fêmea no cio é a unica que aceita o macho e este em geral,  é o mais competente para acasalar do grupo.

Para eles, não existe o ideal romantico de constituir familia ou de se completar com a maternidade.

Eles não precisam se reproduzir para serem felizes. Na natureza, eles só “cruzam” para procriar.

O ato sexual não acalma nem melhora o comportamento dos cães ou gatos.

Se optar por reproduzir sua fêmea, fique atento. Nem sempre tudo ocorre como planejado…pode haver complicações…a mãe pode precisar de cesareana, por exemplo.

Ela pode ter alguma dificuldade para amamentar e precisamos dar mamadeira para os filhotes de 3 em 3 horas!

Quem tem tempo para toda esta dedicação?

A responsabilidade pelos filhotes é da família da fêmea.

É possível fazer um acordo com o dono do macho e dividir a ninhada. Mas isto geralmente acontece quando se trata de animais com alto valor de venda.

Pode parecer que vender animais é um bom negócio, mas posso garantir que este é um mercado muito difícil.

Só os criadores MUITO BONS conseguem vender bem e por valores altos.

Se a fêmea tem 8 filhotes, por exemplo, é preciso conseguir 8 donos dedicados, responsáveis e interessados. Os amigos podem até demonstrar interesse, mas na hora de buscar o filhote…nem sempre aparecem.

É uma delícia acompanhar os filhotes crescendo, mas chega um momento em que eles estão grandes, bagunceiros e a mãe já não dá conta de todos – a nossa casa mais parece um canil.

Este é um momento perigoso! Dependendo do nível de estresse e necessidade de doar os filhotes, muitas vezes eles são doados para “qualquer” pessoa que queira.

Esta pessoa pode não ter tempo, vontade ou até mesmo condições financeiras de ter um animal de estimação.

Eu não recomendo que se reproduza cães e gatos de forma amadora – CRIAÇÃO É PARA CRIADORES!

 

Leia mais →
Carregando..
 
 
focinho do cachorro
rabo do gato